Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!Spotify Contigo!
Olimpíadas / Sincero

Mauro Cezar Pereira divide opiniões ao comentar comemoração de Galvão Bueno nas Olimpíadas: "Não faz parte"

Jornalista entrou para os assuntos mais comentados após análise polêmica; veja

Redação CONTIGO! Publicado em 29/07/2021, às 17h31

Mauro Cezar divide opiniões ao comentar Galvão Bueno - Reprodução/TV Globo e Reprodução/Instagram
Mauro Cezar divide opiniões ao comentar Galvão Bueno - Reprodução/TV Globo e Reprodução/Instagram

Mauro Cezar Pereira teve um momento de sinceridade extrema e criticou a narração de Galvão Bueno nas Olimpíadas.

Nesta quinta-feira (29), o jornalista usou o Twitter para falar a respeito da reação do narrador da Globo quando Rebeca Andrade conquistou a prata.

"Chega a ser engraçado o esforço feito para que Galvão Bueno seja colocado no mesmo patamar dos atletas e ex-atletas da modalidade, todos muito emocionados com a medalha de prata de Rebeca Andrade em Tóquio", começou.

E prossegue: "Ele é um grande comunicador, mestre de cerimônias, nem precisa disso. E não faz parte do grupo de pessoas que a ajudaram a alcançar tamanha glória, tampouco vive o dia a dia de uma ginasta como ela para ter a exata noção do esforço e das privações inerentes a tal conquista".

No fim, ele ainda aponta uma preferência: "Pessoalmente prefiro o estilo mais discreto, informativo e desprovido de vaidade do ótimo Milton Leite com sua ótima condução nesse momento histórico do esporte brasileiro na transmissão do Sportv".

Seguidores não gostaram nada da análise. "Deixa de ser chato", disparou um. Outro pediu: "Leva a vida mais leve, camarada. Ninguém quer fazer isso com o Galvão, o pessoal só quer se divertir na internet cara. Nem tudo é tão sério assim, vamos com calma". Confira:

ENTENDA A POLÊMICA

O jornalista Galvão Bueno e a ginasta Daiane dos Santos não seguraram a emoção ao protagonizarem um momento emocionante durante esta quinta-feira (29) ao narrarem a medalha histórica do Brasil.

A ginasta Rebeca Andrade ganhou a medalha de prata, a primeira da história da ginástica feminina em Jogos Olímpicos.