Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!
Famosos / SUPERAÇÃO

Aos 43 anos, irmã de Sabrina Sato relata detalhes de dura luta contra a Covid-19: "Meu pulmão estava 50% tomado"

Karina Sato precisou permanecer 13 dias hospitalizada por sofrer complicações da doença

Redação Contigo! Publicado em 19/05/2021, às 11h30

Aos 43 anos, irmã de Sabrina Sato relata detalhes de dura luta contra a Covid-19: "Meu pulmão estava 50% tomado" - Reprodução/Instagram
Aos 43 anos, irmã de Sabrina Sato relata detalhes de dura luta contra a Covid-19: "Meu pulmão estava 50% tomado" - Reprodução/Instagram

A irmã de Sabrina Sato, Karina Sato, enfrentou uma difícil luta contra a Covid-19 e, felizmente, saiu vitoriosa, após permanecer 13 dias hospitalizada e ter 50% do pulmão comprometido. 

Em entrevista ao jornal O Globo, a empresária contou que a irmã foi essencial durante o tratamento e até mesmo, antes da ajuda médica. 

"Sem minimizar o problema, parecia uma gripe leve. De repente, a coisa evoluiu e um exame constatou que meu pulmão estava 50% tomado e Sabrina me convenceu que o melhor seria eu me internar para um tratamento mais eficaz", contou. 

Aos 43 anos, Karina disse que estava tomando todos os cuidados para evitar a contaminação do vírus, no entanto, não foi o suficiente para evitar a infecção. 

"Estava realmente neurótica. Ficava o tempo todo trancada na minha sala no escritório, não abria mão da máscara e o álcool gel era meu companheiro constante. Só saía de casa se realmente fosse para fazer algo importante ou para trabalhar. Para mim, não existia vida social", declarou. 

Ao deixar o hospital, no último dia terça-feira (11),Karina não deixou de pontuar a morte de Paulo Gustavo, que faleceu em decorrência às complicações da mesma doença que contraiu, a Covid-19.  “Meus pensamentos dentro da consciência turva, era a vontade de voltar para meus filhos, a dor da família do Paulo Gustavo (e que nos deixou tantas lições de vida)". 

REVELAÇÕES

Nesta terça-feira (18), a apresentadora Sabrina Sato compartilhou que, mesmo depois de 10 meses amamentando a filha, buscou a ginecologista para receber ajuda nos próximos passos.

Além disso, as mães também falaram sobre a introdução de alimentos para os bebês.