Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!

Minha vida, meu corpo

Finalmente confortável na própria pele, Thammy Miranda lança biografia e fala abertamente sobre transsexualidade, mudanças físicas e preconceito

Lorena Tabosa Publicado em 30/12/2015, às 15h40 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h44

Thammy Miranda - Caio Guimarães
Thammy Miranda - Caio Guimarães

Aos 33 anos, Thammy Miranda experimenta uma nova fase na vida, quase uma ressurreição. Nascido como a filha primogênita de Gretchen, 56 anos, e filha única do policial Silva Neto, 60, Thammy iniciou há um ano o processo de transição de sexo, que representa hoje o verdadeiro gênero do ator – o masculino. Thammy é um transexual: se identifica como homem, mas nasceu em um corpo biologicamente feminino.

Para adequar a imagem que vê no espelho, o ator passou por cirurgia para retirar os seios em dezembro, após alguns meses de tratamento hormonal, que trouxeram pelos no corpo, barba e voz mais grossa. No sábado (19), em São Paulo, ele lançou a biografia Thammy, Nadando contra a Corrente (Editora Best Seller), escrita por Marcia Zanelatto, 45, que conta sua trajetória desde o início do romance de seus pais até o momento em que decidiu ir em frente com a mudança de sexo. “Foi um alívio. A decisão veio a partir do momento em que eu descobri que a transição existia. Não se falava muito sobre esse assunto aqui no Brasil e eu fiquei sabendo por meio de vídeos gringos que uma amiga me mostrou. Para mim, não tem lado ruim, é só lado bom! É a maior realização, estou conseguindo externar tudo o que eu sentia”, diz.

Mas até que a aceitação plena chegue, Thammy acredita que deve dar tempo às pessoas para que se habituem com seu novo eu. “Vai chegar um momento em que vão olhar para mim e não vão mais conseguir me tratar no feminino. Acho que é um processo, porque são muitos anos me tratando assim. As coisas ficarão mais naturais quando as pessoas de fato entenderem o que é um transexual. Quando você conhece um cara, você não o trata no feminino, é natural. Então, quando as pessoas entenderem o que é a transexualidade, vão me ver como um homem e me tratar naturalmente”, explica.

O ator namora há quase dois anos a modelo Andressa Ferreira, 27, e embora já se conhecessem há mais tempo, o romance não aconteceu de cara. “Éramos da mesma turma de amigos, mas não saíamos juntos sempre. Um dia, quando eu tinha me separado, soube que ela também estava separada e a convidei para uma balada que eu estava fazendo. Só aí rolou”, lembra. No início, ela não fazia ideia de que Thammy era um homem transgênero, achava que ele era uma mulher lésbica que gostava de se vestir com roupas masculinas. Aos poucos, foram entendendo a situação juntos e agora tiram isso de letra. “Casamento é o natural, vai vir mais para a frente”, ele promete.

PASSADO É PASSADO

Antes da transição, Thammy integrou o grupo de dançarinas dos shows da mãe, a Rainha do Bumbum, e se tornou sex symbol quase por acaso. Também foi modelo e chegou a posar nua para ensaios de revistas masculinas, algo de que se arrepende. Hoje, não faria novamente, apesar de não descartar a possibilidade de um ensaio apenas sensual que mostre seu novo físico. Aliás, adoraria emprestar o corpo a um personagem masculino, o que pode acontecer em breve pelas mãos de Glória Perez, 66, com quem trabalhou na novela Salve Jorge (Globo).

As desavenças com Gretchen começaram quando ela descobriu que Thammy se interessava por mulheres. Hoje, estão ficando para trás. “Ela aceita e até dá umas arriscadas no masculino (risos). Meu pai, por outro lado, foi o mais tranquilo desde sempre. Ele só tem a mim de filho, então somos melhores amigos. Ele mora a dois quarteirões da minha casa. Vivo na casa dele e a gente fica até altas horas conversando”, se derrete por Silva Neto, o segundo dos 17 maridos de Gretchen.

O preconceito e as dificuldades de aceitação geraram crises de ansiedade e ataques de pânico por muitos anos, também já superados. “Eu tomava um remédio de uso contínuo para ansiedade, mas nunca mais usei. Foi automático, um dia esqueci de tomar, aí no outro também, até que parei de vez”, revela. Com a tranquilidade alcançada pela descoberta da transexualidade, Thammy acredita que deve agradecer pelas pequenas coisas da vida. “Sou muito feliz. Até nos momentos difíceis, sou muito grato a Deus. Pode estar dando um monte de coisa errada na minha vida, mas estou dentro da minha casa, tenho comida e uma cama para dormir.”

O desejo de ter filhos existe, mas ele já adianta que será um pai rígido e que vai impor limites às crianças – algo em que seus pais falharam. “Tem que ter limite e horários. É chato quando você é criança, mas, depois, já adulto, é bom você ser regrado. Mas a gente precisa se estabilizar antes. Não dá para estar todo mundo trabalhando como louco, tem que dar uma desacelerada para ter filhos.”