Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!
Últimas / Superação

Fábio Assunção abre o coração sobre sua depêndecia química: “Tem um estigma”

Ator falou abertamente sobre polêmicas, drogas e a vida pessoal

Redação Contigo! Publicado em 01/11/2018, às 11h50 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h46

Fábio Assunção - Globo/Divulgação
Fábio Assunção - Globo/Divulgação

Na quarta-feira (31), Fábio Assunção foi o convidado do Conversa com Bial. Na participação, o ator abriu o jogo para Pedro Bial e falou sobre o consumo de drogas e confusões que se envolveu.

No ano passado, Fábio foi preso na cidade de Arcoverde, em Pernambuco, acusado de dano qualificado ao patrimônio público, desacato a autoridade, desobediência e resistência à prisão. Quando ocorreu ele se disse envergonhado e relembrou o episódio no programa.

“Eu já estava comemorando. Saí para fazer xixi lá fora, alguém chegou, teve uma discussão, briga, foi ruim”, disse ele mencionando o final das gravações do documentário Eu Sonho Para Você Ver. “Levei três chutes na cara, rolei um barranco, as pessoas filmando. É muito cruel isso também. Você fica nessa impotência, num lugar que não era minha cidade, não conhecia ninguém ali, estava com a equipe desse doc”, continuou. 

Ela relembrou a reação que teve quando policiais chegaram. “Falei: ‘Não quero ir para o hospital porque vão me filmar’. Uma pessoa da UTI saiu para me filmar. Saí do hospital completamente desesperado. A gente chamou a polícia e ela achou que teria alguma confusão. Obviamente saí do tom, não tratei com respeito, gritei com eles. Imediatamente fui algemado, foi uma coisa muito violenta. Reagi, foi tudo errado”

Os vídeos do ocorrido se espalharam nas redes sociais e Fábio virou piada. O filho João foi quem o ajudou a lidar com isso. “Virou o ‘sextou’. Sempre achei os memes ofensivos. Conversei com meu filho, falei que estava pensando em processar um deles e ele disse: ‘Pai, não faz isso, não. É zoeira’”

Fábio é dependente químico e sobre isso ele disse estar sob controle. “Já tive uso exagerado e uma relação obsessiva. É uma coisa que pode acontecer, você não sabe se o uso recreativo vai te levar a isso. Para mim esse assunto já foi, estou em outra fase. É uma assunto muito recorrente, tem uma coisa de estigma que tenho que lidar”

Aos 47, ele se considera satisfeito com a idade. “Não trocaria pela minha fase dos 20 anos, de muita ansiedade, de ficar pensando no amanhã. Hoje me sinto muito bem nos lugares onde estou”.