Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!

Procurado pela polícia, ex-Pânico se pronuncia sobre dívida de pensão alimentícia

Foragido da Justiça, humorista abre o jogo sobre problemas com a ex-mulher e motivo para não pagar a pensão do filho

Redação Contigo! Publicado em 12/09/2019, às 17h49 - Atualizado às 17h49

Carlinhos Silva - Reprodução / Instagram
Carlinhos Silva - Reprodução / Instagram

O humorista Carlinhos Silva, ex-integrante do programa Pânico, se pronunciou sobre a notícia de que está foragido da Justiça por ter uma dívida de pensão alimentícia, que está avaliada em R$ 650 mil.

Em conversa com o programa Fofocalizando, do SBT, ele falou sobre o caso.

"Estou cuidando da minha cabeça, isso que me leva a crer que vai dar tudo certo. Tenho dois acordos assinados que não foram cumpridos. Parei de pagar a pensão porque não existe penitência para a mulher. A Justiça e a mãe do meu filho não me respeitam. Tenho todos os documentos. Não é possível que chegou a esse ponto! Há seis anos não tem acordo. Para eles virou questão de honra me colocar na prisão. Sei o que o menor precisa. Acabaram com a minha família, não sei o que meu filho pensa de mim. Por que tenho que respeitar a Justiça se ela não me respeita?", disse ele. 

Carlinhos afirmou que não vê o filho e teve sua cobertura penhorada. "A minha cobertura, que é marvilhosa, está penhorada. Não posso trabalhar para pegar a pensão. Sou um pai injustiçado, sempre implorei para estar com meu filho. Dinheiro vai depois, primeiro é meu filho. Tentei de novo o acordo, pagar escola, plano de saúde e comida. Mas ela não quer acordo! A pensão está em quase sete mil reais e eu tenho que trabalhar"

Ele ainda continuou falando que a sua prisão deixará a ex-parceira contente. "Caso eu vá preso hoje, deve ter uma festa preparada. Quando eu descobri que o problema não era mais dinheiro, deixei de pagar. Eu perco tudo, volto para a m..., mas não dou um centavo. Ninguém vai devolver os oito anos de vida do meu filho. Meu apartamento está penhorado, preciso trabalhar. Que direito do menor esses caras defendem?"