Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!

Ana Furtado se pronuncia após fãs se preocuparem com sua rotina na academia

'A minha rotina está mais leve', avisou ela que luta contra o câncer

Redação Contigo! Publicado em 29/06/2018, às 10h40 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h46

Ana Furtado tranquiliza fãs após mostrar rotina na academia - Reprodução
Ana Furtado tranquiliza fãs após mostrar rotina na academia - Reprodução

A apresentadora Ana Furtado compartilhou com os fãs nesta sexta-feira (29), sua rotina de exercícios após iniciar o tratamento contra o câncer.

"Sempre considerei atividades físicas como um hábito essencial para ter uma melhor qualidade de vida e, quem me acompanha aqui, sabe que costumo compartilhar essa rotina de exercícios.  Algumas pessoas têm me perguntado se é permitido que eu faça atividades físicas enquanto estou em tratamento quimioterápico. Os médicos não apenas não proíbem como também incentivam a prática de atividades físicas", disse ela.

Furtado contou que é importante que cada caso seja avaliado. "Mas é claro que as pessoas são únicas e os organismos respondem de forma distinta a diferentes tratamentos.  Então, a primeira coisa é: consulte seu médico", aconselhou.

Segundo a global, foi preciso reduzir a intensidade dos exercícios, "A minha rotina de atividades está mais leve. Não é recomendado se exercitar à exaustão porque isso pode vir a comprometer a imunidade e, por consequência, deixar o organismo mais exposto a possíveis infecções. Mas é fato também que a atividade física me estimula, me faz sentir viva e está contribuindo para reduzir os efeitos colaterais da quimio e o risco de depressão – muito comum em pacientes em tratamento contra o câncer", disse.

TRATAMENTO

No fim de maio, a estrela revelou que passou por uma cirurgia na mama para retirar um tumor e que está passando por sessões de quimioterapia."Depois de um autoexame seguido de uma mamografia, descobri um câncer de mama em estágio inicial. Foi um baque muito grande quando recebi a notícia, mas apesar de tudo eu busquei de todas as formas minha coragem, minha fé e minha esperança para conquistar a minha cura”, afirmou ela, e continuou. “Eu já operei, já tirei meu tumor. Agora preciso fazer todo o processo de tratamento pós-cirúrgico, que inclui a quimioterapia. Estou com muita fé, muita esperança e tenho muita coragem pra seguir adiante. Quero me solidarizar nesse momento com todas as pessoas que estão passando pelo mesmo processo que eu. Deixo aqui todo meu amor, carinho e força para todos vocês”

No ar no programa É de Casa, Ana avisou que dará uma pausa na agenda de trabalho. “Estou tentando seguir a minha rotina. Provavelmente estarei menos no ar para me cuidar. Tenho como maior alicerce o meu marido, filha e toda a minha família que estão me dando todo apoio e amor nesse momento. Força, fé e coragem", finalizou ela.

Veja o depoimento completo:

Sempre considerei atividades físicas como um hábito essencial para ter uma melhor qualidade de vida e, quem me acompanha aqui, sabe que costumo compartilhar essa rotina de exercícios. Algumas pessoas têm me perguntado se é permitido que eu faça atividades físicas enquanto estou em tratamento quimioterápico. Os médicos não apenas não proíbem como também incentivam a prática de atividades físicas. Mas é claro que as pessoas são únicas e os organismos respondem de forma distinta a diferentes tratamentos. Então, a primeira coisa é: consulte seu médico. A minha rotina de atividades está mais leve. Não é recomendado se exercitar à exaustão porque isso pode vir a comprometer a imunidade e, por consequência, deixar o organismo mais exposto a possíveis infecções. Mas é fato também que a atividade física me estimula, me faz sentir viva e está contribuindo para reduzir os efeitos colaterais da quimio e o risco de depressão – muito comum em pacientes em tratamento contra o câncer. Um dos efeitos colaterais é a fadiga. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer dos Estados Unidos, entre 72% e 95% dos pacientes são afetados por esse cansaço extremo, que pode resultar na diminuição significativa da qualidade de vida. Estudos mostram que a prática diária de exercício pode diminuir a intensidade desse sintoma em até 50%. Assim, sigo com minha rotina de exercícios, respeitando os limites do meu corpo, e com acompanhamento médico constante!

Uma publicação compartilhada por Ana Furtado (@aanafurtado) em