Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!

Abatida, Flávia Viana fala pela primeira vez sobre o aborto espontâneo

Ex-BBB desabafa após perder seu bebê: 'É devastador'

Redação Contigo! Publicado em 30/06/2019, às 14h23 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h47

Flávia Viana - Reprodução / Instagram
Flávia Viana - Reprodução / Instagram

A ex-BBB Flávia Viana abriu o coração ao falar pela primeira vez sobre o aborto espontâneo que sofreu na semana passada. Ela estava grávida de 10 semanas quando perdeu o bebê.

A musa foi internada e chegou a cogitar a necessidade de uma cirurgia para aspirar o feto, mas ela revelou que os médicos tomaram outro caminho.

“Passando para deixar o meu carinho e a minha gratidão pelas mensagens que vocês passaram pra gente nesses últimos dias. Agora que eu estou um pouco mais tranquila para falar neste assunto, para tranquilizar vocês aí do outro lado. Mesmo sem entender as vontades de Deus, eu confio nelas, sempre foi assim. Isso não quer dizer que eu não fique triste, não tem como. É devastador, você fazer planos, sonhar com uma coisa tão linda e de repente... Mas eu tenho certeza que deus sabe o que tira e o que traz. Eu sou grata por ter sido escolhida para ser mãe deste bebê nestas 10 semanas, foi o tempo que ele veio em forma de anjinho.”, afirmou ela.

Ela ainda falou sobre a parceria do namorado. “O Marcelo foi um super pai, um super parceiro. Eu não teria conseguido passar por essa sem ele do lado, o tempo inteiro me dando força e carinho. Independente do que aconteceu, a nossa família já está completa, e agora a gente vai construi-la novamente, com as mãos de Deus”.

Para finalizar, Flávia Viana contou mais o seu organismo após o aborto. “A médica decidiu adiar a cirurgia. Existem duas formas [após o aborto]. Existe a cirurgia de aspiração, e existe uma forma natural do ovário expelir. Ela explicou que o ovário expelindo naturalmente é melhor para tudo, recuperação. Então ela vai me avaliar semanalmente para não ter risco de infecção e vamos ver como meu organismo reage. E não é descartada a cirurgia, porque se o meu ovário não expelir todo o conteúdo, tem que entrar em cirurgia para aspirar o restante. Nós optamos por esperar e ver como meu organismo reage. Ela estava mais preocupada com o meu psicológico, porque na hora que a gente recebeu a notícia, a gente ficou muito transtornado, muito decepcionado. Vocês imaginam a dor da perda, é surreal, não tem tamanho”.