Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!Spotify Contigo!
Famosos / DESABAFO

Yasmin Brunet defende direito de ir à Olimpíada com Gabriel Medina: "Não pediu tratamento diferenciado"

Modelo quebrou o silêncio sobre confusão que envolve o COB e cobrou que marido tenha o mesmo direito que outros atletas

Redação Contigo! Publicado em 07/07/2021, às 16h23

Yasmin Brunet defende direito de ir à Olimpíada com Gabriel Medina: "Não pediu tratamento diferenciado" - Reprodução/Instagram
Yasmin Brunet defende direito de ir à Olimpíada com Gabriel Medina: "Não pediu tratamento diferenciado" - Reprodução/Instagram

A modelo Yasmin Brunet quebrou o silêncio sobre o desentendimento entre o Comitê Olímpico Brasileiro e seu marido, o surfista Gabriel Medina.

Rumo aos Jogos Olímpicos de Tóquio, a musa defendeu nesta quarta-feira (7) o direito de viajar ao lado do atleta para o Japão. 

"Não é uma Olimpíada qualquer. É em época de pandemia. Precisamos pensar o que vai ser melhor para a pessoa. Os surfistas têm essa regra aplicada a eles, estão levando pessoas que os fazem bem. No caso do Gabriel, essa regra não se aplica. Ele não pediu tratamento diferenciado. Ele quer ser tratado como os outros, que as mesmas regras se apliquem a todos", disse ela.

A modelo alega que outros atletas vão poder levar pessoas próximas como parte da equipe de apoio, algo que não foi permitido para Medina.

"Cada pessoa do COB dá uma desculpa diferente. Já recebemos um e-mail falando sobre 'preservação de imagem do COB e dos atletas', recebemos uma desculpa de que o COB liberou e o COI [Comitê Olímpico Internacional] não. (...) Várias desculpas que não fazem sentido", afirmou ela.

Um dos favoritos à Medalha de Ouro, o atleta teme viajar com o emocional abalado, o que pode prejudicar seu desempenho na competição.

"Ele está no melhor momento da carreira dele, todo mundo sabe. Ele está representando o Brasil. Não entendo como, ele pedindo ajuda do próprio comitê, que ele tenha os mesmos direitos e possa levar quem ele quer levar, porque estão fazendo esse descaso. No momento que ele subir no pódio, todo mundo vai estar com ele. Esse tipo de patriotismo seletivo não faz sentido. Esse ano está sendo muito difícil para o Gabriel, passando por momentos muito complicados na vida pessoal dele", alegou ela que lembrou da importância da base de apoio.

"O surfe e um esporte individual, quem compete sabe a importância do psicológico da pessoa nesse momento. Sou uma das únicas pessoas que sabe tudo o que está acontecendo, que ele divide as coisas, que está vivendo tudo. Que apoia, que quando ele está chorando está ao lado dele. Ele é extremamente profissional. Isso não é uma brincadeira. Ele não quer me levar para passear pelo Japão. Somos conscientes e preocupados. Não é brincadeira para mim e nem para ele. A gente só queria os mesmos direitos para todos" disparou a loira.

O OUTRO LADO

Em nota enviada à imprensa, o COB justifica a decisão e disse que precisou vetar todos os familiares de todos os atletas. A decisão vale para toda a delegação brasileira

"No ano passado, o COB informou aos atletas de todas as modalidades sobre a existência do programa “Familiares e Amigos”, pelo qual o comitê daria todo o suporte para que os competidores pudessem receber as pessoas mais próximas na cidade sede dos Jogos, de forma a ter por perto todos aqueles que os ajudam no dia-a-dia, inclusive com ingressos para as competições e espaço específico do Time Brasil para encontros. Infelizmente, em decorrência da pandemia, o COB teve que cancelar este programa. O Japão impôs diversas restrições a todos os países participantes, impedindo inclusive a entrada de familiares, amigos, fãs e turistas no país durante o período dos Jogos, que também devem ocorrer sem público", diz o comunicado.