Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!

Marcos Mion explica por que não levou filho com autismo em viagem

Essa não é a primeira vez que o apresentador da Record opta por deixar Romeo com os avós. Vem saber o motivo!

Redação Contigo! Publicado em 02/01/2018, às 10h43 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h45

Marcos Mion explica por que não levou filho com autismo em viagem - Reprodução Instagram
Marcos Mion explica por que não levou filho com autismo em viagem - Reprodução Instagram

Após uma temporada com toda a família em Miami, nos Estados Unidos, Marcos Mion decidiu ir esquiar no Colorado com a esposa, Suzana Gullo, e dois dos três filhos, Donatella e Stefano.

"Sim, essa é aquela viagem que Romeozão não vem. Que fazemos para Doninha e Tefo. Romeo não esquia e odeia essa viagem! Já tentamos trazê-lo. Ele está feliz da vida, sendo mimado pelos avós e com a gente pelo FaceTime o dia todo! Todos felizes! Isso que importa!", afirmou o apresentador da Record.

Essa não é a primeira vez que Mion opta por deixar o primogênito. No ano passado, ele viajou para Paris sem Romeo. "Durante muito tempo pensei que o que faria Romeo evoluir era tratá-lo como se não tivesse nenhuma limitação. Arrasta-lo para situações cotidianas que “não tinha porque ele não gostar” e que o fariam ter um maior convívio social e ser mais aceito pela sociedade que, muitas vezes, não acha “normal” um garotinho ter pânico para entrar numa festa. Em algumas situações, funcionou, tivemos sucesso! Como, por exemplo, a festinha infantil que citei. Romeo, hoje, adora uma. Ele AMA se apresentar na escola, coisa que anos atrás gerava um pânico que só quem convive com uma criança com autismo sabe como é. Porém, algumas coisas não mudam. Por exemplo, a falta de rotina. Isso o tira do eixo. O deixa muito nervoso e desesperado. E uma viagem onde não consigo montar uma estrutura para ele é puro improviso, cheia de decisões tomadas na hora. Então numa viagem rápida ele encontra tudo que não gosta!”, explicou ele.

“Os pais de crianças com autismo TEM QUE SABER que não precisam se culpar! Que eles, assim como todas as crianças, têm limites! Gostam de algumas coisas e não gostam de outras! E cabe aos pais identificarem onde existe evolução e onde é mais saudável aceitar que não vai rolar! Não sou apenas pai do Romeo, tenho outras duas mini jacas que querem conhecer e ganhar o mundo! Sem rotina! E tenho que respeitar IGUALMENTE as necessidades deles. Pais que tem crianças dentro e fora do espectro: não se esqueçam disso!", concluiu.