Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!
Novelas / Bastidores

Mariana Ximenes revela apelido inusitado que ganhou de Selton Mello nos bastidores de 'Nos Tempos do Imperador'

Os atores viverão um par romântico na trama inédita da Globo; confira

Redação CONTIGO! Publicado em 27/07/2021, às 19h16

Os atores protagonizarão um par romântico em 'Nos Tempos do Imperador' - Reprodução/TV Globo
Os atores protagonizarão um par romântico em 'Nos Tempos do Imperador' - Reprodução/TV Globo

Na noite da última segunda-feira (26), a Globo realizou uma coletiva de imprensa para falar da novela inédita Nos Tempos do Imperador, e teve a presença de alguns jornalistas convidados e os protagonistas da produção. Mariana Ximenes que na novela interpreta a Condessa de Barral, amor de Dom Pedro II (Selton Mello) revelou alguns detalhes de bastidores.

A atriz contou que ganhou um apelido inusitado do colega de trabalho. “A Barral usa muito verde e passei a ser chamada de ‘periquita’ pelo Selton nos bastidores. A Condessa de Barral é uma mulher cheia de inspirações e referências por já ter viajado pelo mundo”, contou Mariana.

Fico toda feliz ao criar uma nova personagem. A parte mais complexa é trocar de roupas e figurinos. Em um dia, precisei trocar de roupa 14 vezes”, disse a artista, que ainda contou que usa lentes castanhas durante as gravações da novela.

O folhetim tem autoria de Thereza Falcão e Alessandro Marson tem estreia marcada para 9 de agosto, na faixa das 18h, após o fim da reprise de A Vida da Gente.

FIQUE POR DENTRO

Nos Tempos do Imperador, próxima novela das 18h, da Globo, chegará às telinhas no dia 9 de agosto substituindo a edição especial de A Vida da Gente. Escrita por Alessandro Marson e Thereza Falcão, a trama de época vai misturar realidade e ficção para acompanhar a vida de Dom Pedro II muito além do trono e das disputas políticas do Brasil Império.

Interligada com a novela Novo Mundo, sucesso de audiência na emissora no mesmo horário, o folhetim inédito mostrará o país em construção, ambientado em 1856, no Segundo Reinado - mais de três décadas após a declaração da Independência do Brasil - e se desenvolvendo no Rio de Janeiro. A posição da mulher na sociedade do século XIX e resistência das comunidades quilombolas em uma estrutura social escravocrata serão questões tratadas com destaque.