Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!Spotify Contigo!
Famosos / OUTUBRO ROSA

Outubro rosa! Angelina Jolie fala sobre cirurgias de prevenção ao câncer de mama: ''Marcas nos lembram o que a gente superou''

A protagonista de 'Malévola - Dona do Mal' abriu o coração ao falar sobre a doença

Redação Contigo! Publicado em 24/10/2019, às 13h42 - Atualizado em 25/10/2019, às 10h05

Angelina Jolie - Instagram
Angelina Jolie - Instagram

Empleno Outubro Rosa, Angelina Jolie abriu o coração ao falar sobre o câncer de mama. 

A protagonista de 'Malévola - Dona do Mal' fez uma mastectomia, além de ter removido as trompas e os ovários como forma de prevenção, pois, ela tinha 87% de chances de ter o tumor e que perdeu a mãe, a avó e a tia por conta da doença.

"Simplesmente sinto que fiz escolhas para melhorar minhas chances de estar aqui para ver meus filhos crescerem e de conhecer meus netos. Minha esperança é dar o máximo de anos possível para as vidas deles e estar aqui para eles", escreveu ela na revista 'TIME'.

A musa é mãe de Maddox, 18, Pax, 15, Zahara, 14, Shiloh, 13, e os gêmeos Vivienne Knox, 11, com Brad Pitt. O casamento das estrelas de Hollywood chegou ao fim em 2016.

Marcheline Bertrand, mãe de Angelina, morreu aos 56 anos em 2007 após cravar uma longa batalha contra o câncer de mama e no ovário:

"Ela conheceu apenas alguns de seus netos e muitas vezes estava muito doente para brincar com eles. Agora é difícil para mim considerar qualquer coisa nesta vida quando penso em como seriam beneficiados com o tempo com ela, com seu amor e proteção. Minha mãe lutou contra a doença por uma década e chegou aos 50 anos. Minha avó morreu aos 40 anos. Espero que minhas escolhas me permitam viver um pouco mais", contou ela.

A americana também revelou que usa adesivos com hormônios e faz exames periodicamente:

"Eu vejo as mudanças no meu corpo, mas eu não ligo. Eu estou viva e por agora eu estou lidando com os problemas que herdei. Eu me sinto mais conectada com mulheres agora".

Sem pudor, o símbolo sexual de todas as gerações falou sobre as cicatrizes que os procedimentos deixaram:

"Eu acho que as nossas marcas nos lembram o que a gente superou. Elas fazem parte do que nos torna único".