Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!Spotify Contigo!

Grupo IL DIVO chega ao Brasil em outubro

Mundialmente conhecido por ser o primeiro grupo de Crossover Clássico no mundo, o quarteto apresenta sua nova turnê aqui, com 5 shows

Redação Contigo! Publicado em 28/06/2017, às 19h55 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h45

Il Divo chega ao Brasil - Fotos: Reprodução Instagram
Il Divo chega ao Brasil - Fotos: Reprodução Instagram
Mundialmente conhecido por ser o primeiro grupo de cross over clássico no mundo, o quarteto internacional IL DIVO volta ao Brasil para cinco shows da nova turnê. CONTIGO! conversou com exclusividade com um dos integrantes, o barítono espanhol Carlos Marín, sobre a expectativa das apresentações, que acontecerão em Curitiba, Brasília, Rio de Janeiro, e São Paulo. Confira: 

Quando vocês se reuniram pela primeira vez? Lembra-se das impressões que teve dos seus companheiros?

A gente se uniu em 2003. Lembro que foi difícil reunir as nossas bagagens musicais, pois éramos de lugares diferentes e eram quatro línguas distintas que se tornaram um obstáculo a mais para o grupo. Mas, agora, 14 anos depois, tudo isso é passado e a gente se entende muito bem.


É verdade, as linguagens entre vocês devem atrapalhar um pouco… Como vocês se organizam?

Nós quatro somos fluentes em seis línguas, mas é o inglês que a gente usa para se comunicar sempre. Nós nos ajudamos também dando dicas dos idiomas que um domina mais que o outro. É uma família mesmo!


Quando vocês decidiram misturar a música clássica ao pop? E como escolhem as músicas para gravar?

Foi um pouco difícil para decidirmos que rumo a gente queria tomar. Nós tentamos cerca de 40, 50 canções de idiomas e estilos diferentes e encontramos a essência do Il Divo quando cantamos Regresa a Mi. E, na hora de gravar, é escolher e fazer acontecer… Ou seja, é gravar, ouvir e ver o que funciona com ela.


O IL DIVO se apresentará em Curitiba, Brasília, Rio de Janeiro, e São Paulo


Pra vocês, qual é a importância de introduzir a música clássica para novas gerações?

É maravilhoso, pois mesmo sem cantar uma ópera de verdade, mas com nossas vozes de tenor e de barítono, a gente consegue fazer as pessoas que se interessam pelo estilo procurarem e ouvirem mais.


Como é, pra vocês, tocar no Brasil?

Sinceramente, é incrível! O público brasileiro é fantástico e estar com ele é uma experiência que qualquer cantor deveria ter.


Não é a primeira vez de vocês, então, o que vocês já aprenderam sobre o nosso país?

O povo é muito apaixonado por música e as mulheres são as mais bonitas de todas.Estou ansioso para chegar aí sendo o único solteiro. Quem sabe eu não volte casado de algum show?


E sobre a música brasileira, o que gostam de ouvir?

Só consigo pensar no Roberto Carlos, claro, o maior cantor de todos os tempos. Eu adoro o jeito dele de cantar e as músicas, costumava ouvir quando era mais jovem, aliás. Hoje, também escuto Ivete Sangalo e Anitta, que são cantoras talentosíssimas, nós adoraríamos fazer um dueto com alguma delas. Vai que resolvemos gravar um disco só de música brasileira, né? Com certeza, ele seria sensual e cheio de ritmos dançantes.