Contigo!
Busca
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!Youtube Contigo!Tiktok Contigo!Spotify Contigo!
Exclusivas / ENTENDA!

Epstein-Barr: entenda o que é, quais são os sintomas e o tratamento do vírus contraído por Anitta

Entenda o que é o vírus Epstein-Barr, o que ele causa e como ele é diagnosticado; Anitta revelou recentemente que foi contaminada

Redação Contigo! Publicado em 08/12/2022, às 16h41

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Entenda o vírus contraído por Anitta - Reprodução/Instagram
Entenda o vírus contraído por Anitta - Reprodução/Instagram

Recentemente Anitta foi diagnosticada com o vírus Epstein-Barr, que pode estar ligado à esclerose múltipla, doença autoimune. Entenda o que é o vírus, quais são os sintomas e tratamento.

Esse é o vírus causador da mononucleose infecciosa, ou “doença do beijo”, como é conhecida. Ele é transmitido pela saliva e pode ser assintomático ou causar sintomas que podem ser confundidos com doenças respiratórias.

Segundo o Ministério da Saúde, os sintomas da doença podem ser: febre alta, dor ao engolir, tosse, dor nas articulações, inchaço no pescoço, irritação na pele, amigdalite, fadiga e Inchaço do fígado.

Entretanto, não há um tratamento específico para a mononucleose, apenas para diminuir os sintomas dela. Além disso, a maioria dos contaminados se curam em algumas semanas e uma pequena parcela leva meses para se recuperar totalmente.

A doença é comum entre jovens de 15 a 25 anos e o diagnóstico pode ser feito por teste sorológico, exame de sangue para detectar o vírus ou coleta de amostras.

Um estudo recente com 10 milhões de militares nos EUA mostra uma possível ligação entre o Epstein-Barr e a esclerose múltipla, já que o vírus pode afetar no nosso sistema imune. Ludmila Dayer, que foi diagnosticada com a doença, contou que, o seu caso, pode ter sido causado pelo vírus.

Diagnóstico e Anitta

A cantora Anitta revelou que foi diagnosticada com o vírus Epstein-Barr, que pode causar a esclerose múltipla, durante o lançamento do documentário Eu na tarde do último sábado (03), em São Paulo. A artista recebeu ajuda de Ludmila Dayer, atriz diagnosticada com ELA (esclerose lateral amiotrófica), e se apoiou em tratamento médicos recomendados pela amiga.

"Eu não acredito mais em coincidências. Pela Ludmila e tudo o que ela me apresentou, consegui parar o vírus no começo", agradeceu a cantora, que se tratou e impediu que a doença progredisse para algo pior.

A artista ainda conta que a descoberta foi o pior momento de sua vida: "Há dois meses, passei pelo momento mais difícil da minha vida. Ela [Ludmila] contou como ela foi diagnosticada com esclerose múltipla. No dia seguinte eu tive uma notícia terrível e grudei nela. Se eu estou falando, caminhando, respirando, vivendo, é pelo quanto que ela me ajudou", agradeceu.

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!