Luciana Oliveira lança Deusa do Rio Níger e fala sobre poder feminino no novo trabalho

O terceiro disco da cantora bebe do Neosoul, R&B e Reggae com uma linguagem brasileira e cheia de compositores consagrados, como Caetano Veloso

Por Tainá Goulart

Luciana Oliveira lança novo álbum Deusa do Rio Níger | <i>Crédito: Fotos: Camila Cornelsen
Luciana Oliveira lança novo álbum Deusa do Rio Níger | Crédito: Fotos: Camila Cornelsen
Luciana Oliveira era uma criança muito tímida, que gostava muito de escrever como uma forma de me expressar para o mundo. Do caderno de composições, iniciado a partir dos 11 anos, a cantora colocou toda a sua voz naquelas palavras e a música em sua vida tomou um rumo diferente. Hoje, ela lança seu terceiro disco, Deusa do Rio Níger, com composições suas e uma linda homenagem ao universo feminino. "A música brasileira é uma das mais lindas e ricas do mundo e isso precisa ser dito, cantado e homenageado sempre. Fazer um disco com as minhas composições e ao mesmo tempo reunir a força de Elza Soares, Caetano Veloso e Luiz Melodia, é um presente, um privilégio e um desafio apaixonante. Desde que comecei, aos 14 anos, na banda Mal de Família, essa era a vontade de me expressar pela música", revela ela. 

 "Tivemos tempo de construir,  experimentar, o que considero um luxo em tempos em que o mundo te cobra sempre velocidade e prontidão.", disse ela, sobre o disco novo


Sobre sua trajetória até chegar no novo trabalho, Luciana afirma que a música não foi uma escolha em sua vida e que foi acontecendo. "Não foi uma opção ou decisão,  porque você não dorme e acorda cantora. Eu digo que a música me escolheu, me acolheu, me tirou da timidez que abafava a minha vontade de falar e me fez cantar. Viver da música sim é uma escolha, até porque hoje uma não vive sem a outra. Tenho muita sorte da música ter me escolhido." Confira 

CONTIGO - Como foi o processo de produção?

Luciana - Foi um processo que privilegiou o tempo de criação. Tivemos tempo de construir,  experimentar, o que considero um luxo em tempos em que o mundo te cobra sempre velocidade e prontidão.

CONTIGO - E o que te motivou dar o nome de uma deusa? Você se sente uma deusa?

Luciana - Essa música sempre mexeu com minhas forças ancestrais, desde que ouvi pela primeira vez com Elza Soares. Sempre achei um título forte. Também acredito que ele acaba exaltando o lado diva e deusa que toda mulher, de uma forma ou de outra, tem. E isso tem me feito perder o medo de, também, me achar diva e de me sentir deusa.   


"Acho muito bacana ver que mais mulheres estão compondo, tocando e presentes em novas funções na música."

CONTIGO - Como você vê o empoderamento feminino hoje?

Luciana - Estamos em um momento muito importante de rever os papéis femininos e de desnaturalizar opressões que vivemos no passado. A mulher hoje é outra. Somos potencializadas e estimuladas a viver e rever nossos papéis. Ainda há muito a ser transformado e precisamos ter cautela com os modismos que o termo traz, mas acredito que estamos nos fortalecendo, inclusive enquanto coletividade.

CONTIGO - O que você espera da música feminina brasileira?

Luciana - Espero que a gente ocupe mais espaços e que sejamos protagonistas de nossa história. Acho muito bacana ver que mais mulheres estão compondo, tocando e presentes em novas funções na música e trazendo nas letras uma percepção mais feminina.

31/08/2017 - 18:46

Conecte-se

Revista Contigo!