Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!

Irmã de Juliana Paes desabafa e defende a atriz: ''Triste por tanto julgamento''

Em raríssima aparição, irmã da atriz global publicou longo texto em sua defesa

Redação Contigo! Publicado em 08/03/2019, às 14h21 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h46

Juliana Paes - Reprodução
Juliana Paes - Reprodução

Irmã da atriz global Juliana Paes, Rosana Paes usou as redes sociais para se pronunciar em defesa da irmã.

É que a estrela foi criticada após supostamente usar uma fantasia com penas no carnaval.

“Gente, quem conhece a Juliana de perto como eu sabe como ela é uma pessoa do bem que ama as plantas, os animais, a natureza e tudo o que é mais divino. Resolvi escrever porque vejo como minha irmã ama o Carnaval e se dedica dentro de tantos outros afazeres para trazer alegria e luz na vida tão dolorida do nosso povo”, escreveu.

“Hoje a vejo triste por tanto julgamento, opinião e comentários maldosos de pessoas que nem sequer buscam saber a verdade, a cabeça de sua fantasia foi uma réplica com materiais reformados que entrariam em descarte não fosse a recuperação, portanto não trouxe sofrimento a nenhum animal e trouxe somente beleza e alegria, que é a proposta do Carnaval! Vamos buscar todos ser mais conscientes sim, nosso planeta precisa desse cuidado, mas vamos buscar também a verdade e a nossa responsabilidade nas palavras e ator em primeiro lugar!”, completou.

EXPLICAÇÕES

No início da semana, no Stories do Instagram, a própria Juliana Paes quebrou o silêncio e saiu em sua própria defesa. "Quem me conhece sabe do meu amor pela natureza, sabe como eu vibro com cada botão de flor em meu jardim... cada bicho... quem me conhece sabe que eu jamais machucaria um animal ou seria conivente com sua caça!", disse ela, aque revelou a origem do material usado em sua fantasia.

"Usei neste Carnaval uma réplica da Ave do Paraíso com materiais reformados que entrariam em descarte, não fosse a recuperação. E todas as penas foram recicladas de acervos de anos anteriores e reutilizadas com nova coloração", contou. "Um trabalho de preservação de material já existente não pode ser confundido com exploração animal! Julgar sem saber... até quando?"

Veja!