Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!

David Junior: "A melhor forma de tratar o racismo é não dar voz a ele"

No dia da Consciência Negra, o ator fala sobre preconceito e papel do negro na sociedade

Redação Contigo! Publicado em 20/11/2017, às 11h00 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h45

David Junior - Divulgação
David Junior - Divulgação

Para David Junior, sucesso como Dom na novela Pega Pega, o Dia da Consciência Negra tem grande importância porque lembra a luta de uma geração que colhe e planta a fim de ter um futuro melhor e cada vez mais igual. "Ainda falta muito para a sociedade se conscientizar de verdade do papel que os negros representam na sociedade. Me orgulho de tantas vitórias, como as do Lázaro Ramos por exemplo. O que ele vem construindo de espaço para o negro é motivo de muito orgulho. Nosso Joaquim Barbosa saindo com honrarias; Barak Obama sendo o primeiro presidente negro dos Estados Unidos; Viola Davis sendo premiada no Grammy, dentre outras coisas”, conta.

O ator contou também que falta muito para os negros serem iguais, mas não deixa de lutar. "A mulher negra ainda tem o menor salário do mercado, 28 negros são assassinados por dia e ainda sofremos com a segregação velada racial. Entretanto, a melhor forma de tratar o racismo é não dar voz a ele", diz.

Na dramaturgia, David já vê  o reflexo do empoderamento nas obras do Brasil e mundo: “Temos famílias negras inteiras representadas, não só um personagem solto e isolado, como os da Erika Januza, Zezé Motta, Marcelo Mello Jr, Eliza Lucinda, Heslaine Vieira, Ju Colombo, Milton Gonçalves, Icaro Silva e a Virginia Rosa. Vivemos um novo tempo, um novo momento… Ainda falta muito, mas já conseguimos mostrar nosso valor, somos protagonistas de nossas histórias e falta pouco para sermos protagonistas da dramaturgia brasileira”, avalia David.

"É melhor olhar para a quantidade de conquistas do que se atentar para as coisas ruins. O racismo causa um mal maior para quem incita do que para quem recebe e o racista precisa se articular, dissimular, mentir para si mesmo, o que aponta cada vez mais o seu desvio de caráter. O sofrimento maior é para ele", desabafa.