Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!
Últimas / Emoção

Após acidente do filho, Angélica se emociona: 'Caí em prantos!'

Apresentadora comove ao explicar texto sobre a dor de uma mãe: 'Retrata exatamente o que estava vivendo'

Redação Contigo! Publicado em 29/06/2019, às 14h18 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h47

Luciano Huck e Angélica - Reprodução/Instagram
Luciano Huck e Angélica - Reprodução/Instagram

A apresentadora Angélica revelou a sua emoção ao ler um texto sobre a dor de uma mãe após o filho sofrer um acidente.

Uma semana após ver o filho Benício ir parar no hospital ao bater a cabeça durante o wakeboard, ela voltou a falar sobre o que sentiu ao ver o herdeiro internado e passando por cirurgia.

Neste sábado (29), Angélica explicou a sua escolha por compartilhar o texto de Roberta Ferec sobre este momento de sua vida. “Muita gente falando sobre o texto que eu publiquei. Recebi de uma amiga e caí em prantos! Retratando exatamente o que estava vivendo e sentindo. Resolvi compartilhar. Obrigada Roberta pela sensibilidade do texto”, disse ela.

Logo depois, a mulher de Luciano Huck expressou sua gratidão por todo o apoio que recebeu desde que a notícia sobre Benício foi divulgada. “E obrigada a todas as mãos, porque como diz essa preciosidade: a dor de uma é a dor de todas também. Essa empatia emociona e nos ilumina”.

O TEXTO EMOCIONANTE

No texto, a escritora escreveu: “Não sei se você já passou algum susto com um filho. Talvez um acidente ou um diagnóstico. Se você já levou um susto com um filho você vai entender. É como se aquilo que chamam  alma abandonasse o corpo da gente para assistir, lá de cima, a vida passar em câmera lenta: o dia do positivo, a gravidez, o parto. A vida toda.

Não sei se você já passou por um susto com um filho, mas o que a gente sente é, literalmente, dor. Física. Trata-se de uma pontada aguda, que acomete o âmago das entranhas.

Se você já tomou um susto com um filho você às vezes terá flashes daqueles minutos intermináveis, em que você se perguntava como poderia haver resquício de vida se a vida resolvesse te arrancar todo o viver do peito?

Você vai lembrar de palavras soltas, que para sempre vão ecoar no seu pensamento. Senhora, tente manter a calma. Senhora, ele está convulsionando? Você terá uma lembrança muito clara da motorista da ambulância e do olhar terno da paramédica. Tão amorosas, em que pese a difícil missão de lidar com fragmentos da tragédia humana.

Lembrará da sensibilidade da funcionaria que fez os exames. Firme e amável, mesmo tendo que lidar com mães e pais que padecem de coração estraçalhado crônico. Vai lembrar do cheiro suave do perfume da médica que vem dar boas notícias. E do abraço forte que você rouba dela.

Se você já passou por um susto com um filho você vai ter a plenitude dos que acordaram de um pesadelo, e a gratidão dos que sobreviveram ao que não foi mas poderia ter sido.

Vai entender que no alívio de uma mãe cabe o alívio de todas as mães do mundo. E que a dor delas é sua para sempre. E ao ver seus filhos brincando, você vai sorrir, agradecida. Pelo privilégio que é se dar conta da fragilidade humana. Pela sabedoria de entender que a vida é um sopro. E pela felicidade infinita de ver que o dia hoje amanheceu e ainda estamos todos aqui”.