Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!Spotify Contigo!
TV / PARALISAÇÃO

Rede TV! lamenta greve de funcionários por reajuste salarial: ''Desvinculada da realidade''

Emissora diz que decisão foi tomada sem apoio da maior parte de seus colaboradores

Redação Contigo! Publicado em 30/08/2021, às 20h22

Amilcare Dallevo e Marcelo de Carvalho, acionistas da RedeTV! - Instagram
Amilcare Dallevo e Marcelo de Carvalho, acionistas da RedeTV! - Instagram

Nesta segunda-feira (30), a RedeTV! lamentou a greve de seus funcionários, que realizaram uma paralisação após decisão da assembleia anunciada hoje.

A emissora afirmou que a argumentação utilizada pelo sindicato está "desvinculada da realidade" e garantiu que a decisão foi tomada sem a participação da maioria dos colaboradores.

“A RedeTV! lamenta que o Sindicato tenha realizado assembleia na qual não estava presente a maioria de seus milhares de colaboradores para decretar o estado de greve. Isso prejudica o trabalho dos demais colaboradores que não concordam ou apoiam tal movimento.”, disse a emissora em comunicado enviado ao UOL.

A Rede TV! disse ainda que o setor da comunicação foi gravemente afetado pela pandemia do novo coronavírus e, por isso, a decisão da greve foge da realidade atual.

“A argumentação apresentada pelo Sindicato é totalmente desvinculada da realidade, sabendo que o setor de comunicação foi um dos mais gravemente afetados pela pandemia Covid-19 e que a RedeTV!, ao contrário de outras empresas do meio que notoriamente praticaram grandes cortes de folha de pagamento durante o período, não o fez. A RedeTV! seguirá desempenhando as suas funções com os colaboradores que refutam tal movimento”.

ENTENDA

Segundo o Notícias da TV, os radialistas que trabalham na emissora aprovaram uma greve durante uma assembleia do Sertesp, o Sindicato dos trabalhadores em Empresas de Radiodifusão e Televisão no Estado de São Paulo.

O motivo da paralisação é uma reivindicação salarial: funcionários alegam que os salários são baixos e que não há reajuste desde o ano de 2017.