Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!Spotify Contigo!
TV / ABRIU O JOGO

Alice Wegmann faz desabafo sincero sobre depressão: ''Processo difícil''

Atriz conta que já enfrentou doença e fala sobre possibilidade de viver romance com outra mulher

Redação Contigo! Publicado em 18/08/2020, às 19h35 - Atualizado às 19h36

Alice Wegamann fala sobre depressão e sexualidade - Instagram
Alice Wegamann fala sobre depressão e sexualidade - Instagram

Alice Wegmann abriu o jogo com seus seguidores nesta terça-feira (18) e falou com bastante naturalidade sobre questões como depressão e sexualidade.

Ao ser questionada por alguns seguidores sobre ter tido depressão e se teria passado por terapia após interpretar Dalila, vilã em Órfãos da Terra, ela foi bem clara ao dizer que já enfrentou a doença.

“Eu já fazia terapia [quando interpretei Dalila] e isso me ajudou muito. Era difícil sim, porque eu sempre pego um pouco da energia do personagem para mim, não que eu tenha maltratado alguém, mas tinha dias que eu ficava ervosa de abraçar as pessoas e passar isso. Me sentia culpada e carregada, era doido”, disse ela.

Em seguida, a musa contou como foi lutar contra a doença psicológica: “Nunca cheguei a ser medicada, mas senti como se tivesse abafada num cobertor por meses. É bem difícil o processo, mas consegui sair bem melhor. A terapia, os amigos e família ajudam muito”, desabafou.

Wegmann também foi questionada se viveria um romance com outra mulher e confirmou a possibilidade: “Nunca tive [um relacionamento homoafetivo], mas isso para mim não é uma questão, se der vontade, eu vou”.

DEFENDEU:

Na noite do último domingo, 16, Alice usou seu perfil nas redes sociais para se manifestar sobre o caso da menina de 10 anos, grávida, estuprada pelo tio desde os 6 anos.

A atriz publicou uma imagem de quando era apenas uma pequena menina e, na legenda, saiu em defesa da garota que sofreu os abusos. Alice defendeu os direitos e deveres de crianças e, ainda, aproveitou para fazer apelo:

Com 10 anos ainda se brinca de pique, de boneca, de videogame. Com 10 anos se inventa coreografias, se lê, se faz desenhos. O único dever da criança é ser criança. Parem de roubar o corpo, a saúde e os direitos de meninas e mulheres. Só assim se diminui o aborto”.

Veja: