Contigo!
Busca
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!Youtube Contigo!Tiktok Contigo!Spotify Contigo!
Colunas / Gabriel Perline / Dívidas do Corinthians

Apresentador da Band surta, quebra pau ao vivo com colegas e leva esculacho

Ronaldo Giovanelli, apresentador da Band, quebra pau ao vivo após colegas abordarem dívidas do Corinthians. O ex-goleiro ainda levou um sermão

Ronaldo Giovanelli explode ao vivo em transmissão da Band - Divulgação
Ronaldo Giovanelli explode ao vivo em transmissão da Band - Divulgação

No último domingo (16), o apresentador Ronaldo Giovanelli surtou ao vivo durante uma transmissão do Campeonato Brasileiro na Rádio Bandeirantes. O ex-goleiro do Corinthians explodiu com os colegas de trabalho e colocou seu emprego em jogo, causando uma torta de climão na programação. O ex-atleta inclusive recebeu um grande sermão do coordenador de esportes da emissora da família Saad.

A situação ocorreu durante a transmissão do clássico Corinthians e São Paulo, que terminou empatado em 2 a 2. A irritação do ex-goleiro se deu porque um dos repórteres fez uma entrada citando as dívidas do clube que defendeu por mais de 10 anos.

"E vem cá, não vai falar nada que o São Paulo deve para o Rogério Ceni, que deve para o Dorival Júnior, que deve para o Daniel, que deve para o CT mais de R$ 25 milhões? Só vai falar do Corinthians? Só vai falar mal do Corinthians? É isso? (…) Fala das dívidas. É só o Corinthians? Quem tá devendo para o Ceni R$ 4 milhões. Quem tá devendo para o Dorival Júnior R$ 3 milhões. Fala aí!", disparou.

"A chamada aqui hoje foi falando da dívida do Corinthians. Do São Paulo, foi falando do time. Quer dizer, tem que ser igual. Eu penso assim, sei lá (..) O certo é fazer uma abertura igual também né. Tem que fazer lá falando das dívidas. Vamos falar das dívidas agora no jogo? Então vamos falar das dívidas dos dois clubes. E se tiver que ser preso, que seja preso e acabou. A abertura aqui já é diferente para cima do Corinthians. É isso que eu estou falando, estou constatando", acrescentou.

"O repórter trouxe a informação que ele acha relevante. É obrigação dele, e fez muito bem o trabalho dele. Tem que trazer as coisas boas e as ruins. O repórter que cobre o Corinthians não tem que falar do São Paulo", tentou intervir o comentarista Claudio Zaidan.

Ao longo da conversa, Ronaldo Giovanelli ainda bateu boca com diversos colegas, que tentaram explicar que o repórter da atração trouxe os pontos que achou importante para o momento. O apresentador não deixou barato e continuou criticando a postura.

"É só acompanhar a a abertura. Mais irrelevante agora no jogo é falar da dívida (...) Mais importante agora é falar do jogo. Quer falar da dívida, fala dos dois times. Vou falar de novo aqui, porque ninguém fala. Tem que falar de novo (...) Eu só acho que o peso aí tá uma discrepância. Tem momento pra tudo (...) Agora é jogo (...) Só me desculpa pela intensidade no começo do jogo, porque fala-se do Corinthians, do lado ruim, só que tem que falar do São Paulo também. Se você quer colocar no começo de uma jornada que o Corinthians deve, acho que o máximo que você tem que fazer é colocar que o outro lado também está devendo. Parece que só o Corinthians deve", acrescentou.

O apresentador logo foi interrompido Ricardo Capriotti, coordenador de esportes da emissora, que esclareceu como funciona a dinâmica das transmissões para evitar que o constrangimento ficasse ainda maior para os ouvintes da rádio.

"Nós temos a obrigação de levar todas as informações para o nosso ouvinte, e a reportagem da Bandeirantes prima por isso diariamente. Aqui a gente noticia tudo, é que nesta semana o noticiário do Corinthians tem sido muito mais fora de campo do que dentro dele. (…) Nós vamos agir como jornalistas. A gente tem essa missão. Você [Ronaldo], como torcedor, pode emitir a sua opinião. Tem o direito de não gostar. Nós temos o direito de colocar o que achamos que é o correto. Você atacou a nossa integridade no ar, Ronaldo", acrescentou o jornalista Paulo do Valle.

"Eu me senti desconfortável para fazer o jogo. Achei que ia fazer o jogo. Eu fico à disposição da diretoria (…) Eu estou aqui como torcedor também. Eu tenho uma análise de que eu faço dentro de campo… a minha visão é outra de futebol", concluiu o ex-atleta.