Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!Spotify Contigo!
Novelas / Dia histórico

Novo Mundo: Dom Pedro proclama a Independência do Brasil

O príncipe proclamará a independência do Brasil, às margens do riacho Ipiranga no capítulo desta segunda-feira (17)

Redação Contigo! Publicado em 17/08/2020, às 13h36 - Atualizado às 13h37

O príncipe proclamará a independência do Brasil, às margens do riacho Ipiranga no capítulo desta segunda-feira (17) - Reprodução/TV Globo
O príncipe proclamará a independência do Brasil, às margens do riacho Ipiranga no capítulo desta segunda-feira (17) - Reprodução/TV Globo

No capítulo desta segunda-feira (17) Dom Pedro (Caio Castro) proclamará a Independência do Brasil, às margens do riacho Ipiranga.

O príncipe, que está em viagem por São Paulo, receberá de Joaquim (Chay Suede) as cartas de Leopoldina (Léticia Colin) e Bonifácio (Felipe Camargo), avisando-o do decreto, assinado pela princesa, aprovando a separação definitiva do Brasil de Portugal.

Joaquim alerta que chegou à Corte o navio para levá-lo de volta a Portuga e que algo precisa ser feito urgentemente: "As tropas portuguesas estão chegando ao país, ou tomamos uma atitude ou será o nosso fim. Se Dom Pedro não for rei do Brasil, ele será prisioneiro das cortes portuguesas. Não há outro caminho senão a independência", dirá ele.

Dom Pedro se lembra de sua trajetória e prova que é um homem de brios: "As cortes me perseguem, me chamam de Rapazinho Brasileiro, mas eles vão ver o valor que esse rapazinho tem."

"Povo brasileiro, a partir de hoje, estão cortadas as relações com Portugal. E proclamo o Brasil separado de Portugal. Pelo meu sangue, pela minha honra e pelo meu Deus, juro fazer a liberdade do Brasil. Viva a Independência! Povo brasileiro, a nossa divisa, de hoje em diante, será Independência ou Morte. Independência ou Morte!", dirá Dom Pedro.

Ao chegar à Corte, o príncipe é aclamado pelos populares e agradece, principalmente, a Leopoldina, que assinou o decreto: "Jamais teria proclamado a independência sem a sua ajuda e a de Bonifácio. Leopoldina, sem dúvida nenhuma, é o coração e a alma dessa empreitada."