Mãe de Gugu Liberato surge comovida ao lado do corpo do filho

Mãe de apresentador faz carinho no corpo do filho em momento comovente

Redação Contigo! Publicado quinta 28 novembro, 2019

Mãe de apresentador faz carinho no corpo do filho em momento comovente
Mãe de Gugu Liberato surge comovida ao lado do corpo do filho - Manuela Scarpa e Marcos Ribas/Brazil News

Mãe de Gugu Liberato, dona Maria do Céu emocionou ao se despedir do filho durante o velório.

Apoiada em uma bengala, ela foi fotografada muito comovida ao se aproximar do caixão com o corpo do apresentador e fez carinho durante o seu momento com ele antes de ir descansar em casa durante a noite. A previsão é que ela e outros familiares voltem ao local do velório na sexta-feira de manhã. 

Maria do Céu chegou ao Brasil no mesmo avião que trouxe o corpo de Gugu e os outros familiares. Ao chegar na Assembleia Legislativa de São Paulo, ela recebeu a ajuda dos familiares ao sentar em uma cadeira de rodas e ser levada para dentro do local.

Durante boa parte do dia, a mãe de Gugu ficou recebendo o carinho dos amigos e familiares que foram prestar suas últimas homenagens. A mãe do apresentador estaria "inconsolável e falando bastante do marido", segundo a Record TV. Augusto Claudino Liberato, vale ressaltar, morreu em 28 de setembro de 2009, após uma luta contra o alzheimer.

Maria do Céu tem 90 anos e viajou às pressas para os Estados Unidos assim que soube do acidente do filho. Junto com os outros filhos, ela estava no hospital durante boa parte dos exames e procedimentos até o momento em que a morte encefálica foi confirmada.

Mãe de Gugu Liberato surge comovida ao lado do corpo do filho

Mãe de Gugu Liberato surge comovida ao lado do corpo do filho

OPINIÃO DO MÉDICO

O médico brasileiro Guilherme Lepski contou mais sobre o estado da mãe de Gugu Liberato, Maria do Céu, de 90 anos, após o acidente do filho na semana passada. O doutor viajou aos Estados Unidos a pedido da família do apresentador e viu de perto a mãe de Gugu ao receber a notícia de que o caso do filho era irreversível.

Em entrevista ao programa Aqui na Band, Guilherme contou: “Eles já tinham sido expostos ao diagnóstico, mas a família tinha esperanças de que algo pudesse ser feito. Ela estava sentada numa cadeira de rodas porque estava cansada, mas permanecia lúcida, serena. Eu disse que ela ia ser o pilar da família”.

 

Último acesso: 08 Jul 2020 - 02:44:01 (1089738).