Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!
Famosos / SOLTOU O VERBO

Tatá Werneck se irrita após fã usar nome de Paulo Gustavo para defender aglomeração: "Não ouse usar o nome"

Atriz tentou argumentar com fãs, mas ficou fora de si após fã fazer declaração que gerou sua revolta

Redação Contigo! Publicado em 25/05/2021, às 10h35

Tatá Werneck se irrita após fã usar nome de Paulo Gustavo para defender aglomeração: "Não ouse usar o nome" - Reprodução/Instagram
Tatá Werneck se irrita após fã usar nome de Paulo Gustavo para defender aglomeração: "Não ouse usar o nome" - Reprodução/Instagram

A atriz Tatá Werneck se irritou com um seguidor que citou Paulo Gustavo ao defender o direito das pessoas de gerarem aglomerações. Tudo começou quando um fã criticou a postura dos famosos.

"Pergunta sincera: por que os artistas só 'se revoltam' se a aglomeração for a favor do presidente? Por que nunca 'se revoltam' quando a aglomeração é contra o presidente ou quando é provocada por outros políticos/artistas? Que coisa curiosa", escreveu um rapaz.

Ela então fez questão de responder a mensagem. "Porque estão comemorando um país que perdeu 430 mil vidas! Não é possível que isso não te afete", disparou.

Um seguidor da humorista então citou Paulo Gustavo.

"Tata, ninguém tá comemorando morte de 430 mil pessoas, mas sim exercendo liberdade de expressão. E não há nenhuma comprovação científica que aglomeração causa mais ou menor mortes. Em vários lugares a maioria que morreu estava longe das aglomerações. Paulo não tava aglomerando", escreveu.

Ela então desceu do salto e rebateu o fã. "Querido, não ouse usar o nome do Paulo pra justificar sua teoria irresponsável de que aglomeração não prejudica a pandemia. Você jura que nunca ouviu falar que é necessário distanciamento social? E aquela quantidade de pessoas sem máscara? Te explicando o mínimo", rebateu ela.

Recentemente, a mamãe de Clara Maria comoveu os fãs ao prestar uma homenagem ao amigo Paulo Gustavo e fez questão de citou os negacionistas que não entendem que a pandemia segue.

"São mais de 430 mil pessoas com o mesmo valor do Paulo. Nós amamos o Paulo, mas a vida dele é tão importante quanto das outras pessoas que foram embora na pandemia."