Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!Spotify Contigo!
Famosos / Família

Giovanna Ewbank chora ao contar sobre adoção dos filhos: 'Meu parto foi no chão'

Apresentadora abre o jogo sobre adoção dos filhos e rumores de ser estéril: 'Meu parto foi naquele chão frio daquele abrigo'

Redação Contigo! Publicado em 02/10/2019, às 17h30 - Atualizado às 17h32

Giovanna Ewbank - Eduardo Martins / AgNews
Giovanna Ewbank - Eduardo Martins / AgNews

A apresentadora Giovanna Ewbank comoveu ao relembrar a sua história com a adoção dos dois filhos, Titi e Bless.

Em uma palestra para universitários no talk show TEDx, ela abriu o jogo sobre a decisão de adotar, afirmou que não é estéril e a sensação de encontrar seus filhos em um abrigo.

Entre lágrimas em vários momentos da conversa, a loira emocionou ao falar sobre a força do sentimento de ver a filha. “O meu parto foi naquele chão frio daquele abrigo, com pessoas que eu jamais havia visto na vida e ali era só eu e ela. Foi ela que me tornou mãe, foi ela que me tornou leoa”, afirmou ela, que continuou:

“Me lembro até hoje da primeira vez que eu a abracei. Me deu esse engasgo na garganta, meu corpo trêmulo. Eu encontrei a minha filha e a minha filha me encontrou. Tudo o que eu queria era amá-la e protegê-la para o resto da vida”.

Giovanna ainda comentou sobre os rumores de esterilidade. “Disseram que eu era estéril. Não, eu não sou estéril. Nem meu marido. Mas não questionaram sobre ele. Mas a mim, mulher. Porque assim a sociedade consegue explicar que uma mulher não queira ter filhos”.

Então, a apresentadora falou sobre os questionamentos que recebeu ao decidir adotar. “Por que adoção? Como que uma mulher vem ao mundo e não quer gerar um ser do seu ventre? E os filhos de vocês vêm quando? Como é linda sua filha? Ela tem mãe? Seus filhos são lindos. Eles têm família? Esta são algumas das perguntas que uma mãe adotiva tem todos os dias. Eu sempre achei que eu fosse uma mulher que achava que o relógio biológico nunca ia despertar. Nunca havia pensado em ter filhos. E isso veio com muito questionamento, crítica, muita pressão"