Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!Spotify Contigo!
Famosos / Tristeza

Fernanda Gentil revela morte de companheira fiel e desabafa: "Você se foi"

Apresentadora Fernanda Gentil faz relato emocionante e revela morte de grande companheira de vida; veja

Redação CONTIGO! Publicado em 30/06/2022, às 08h32

Fernanda Gentil revela morte de companheira fiel e desabafa - Reprodução/Instagram
Fernanda Gentil revela morte de companheira fiel e desabafa - Reprodução/Instagram

A apresentadora Fernanda Gentil compartilhou um relato triste nesta quinta-feira (30).

Nas redes sociais, a global contou que sua pet, a cachorra Nala, morreu com quase 16 anos de idade. Ela já havia perdido uma pata por causa de um tumor e exigia cuidados constantes.

"Você foi o que de mais incrível eu poderia ter nessa vida de parceira. O que de mais fiel eu poderia ter de cumplicidade. O que de mais alegre eu poderia ter de companheira", começou a despedida da estrela. "Nala, você não só viveu quase 16 anos comigo... você dividiu quase 16 anos da minha vida comigo. Te peguei como uma menina de 20 anos, te vi partir como uma mulher de 35".

Ela lamenta: "Você se foi, e com você foi uma das fatias mais completas da minha vida". E explica: "Sempre combinei com você que enquanto o esforço fosse meu para que você ficasse aqui, estava tudo certo. Mas quem começou a fazer mais esforço pra você ficar aqui foi você mesma... e eu não estava aguentando ver isso acontecer".

"Só a gente sabe - e sabe mesmo - a conexão sobrenatural que a gente construiu. E ela vai continuar sendo assim; em outra esfera, você aí em cima e eu aqui embaixo, até te encontrar de novo", completa. Confira na íntegra:

PRECONCEITO

Fernanda Gentil, de 35 anos, que há cincos anos vive ao lado da companheira Priscila Montadon desabafou sobre alguns episódios de homofobia que viveu, tanto de forma virtual, através da internet, quanto pessoalmente, em público.

Em conversa com o youtuber Fred, do canal Desimpedidos, no programa Fala, Brasólho, a jornalista contou que, ao lado da esposa, foi vítima de homofobia no aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro.

"Foi a primeira e única vez que isso aconteceu em público. Na rede social, é óbvio que já. A gente [ela e a esposa] estava andando de mãos dadas e o cara [gritou]: 'Ô sapatão!'. E aí eu olhei e falei: 'Oi? O que foi?'. E o cara 'Ah, é...'. Ele desenrola tudo na mesa para falar e quando a gente fala ele: 'Nada'. Nem sabe para que fala. Ele normaliza um negócio que é agressivo e quando você também normaliza sem pensar na reação, ele fica quieto", contou.