Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!Spotify Contigo!
Famosos / EITA!

Carolina Ferraz e Maitê Proença se unem contra a Globo em disputa na Justiça

Carolina Ferraz aparece para depor em favor de Maitê Proença; as duas querem uma grana gorda da Globo

Redação Contigo! Publicado em 04/06/2022, às 17h29

Carolina Ferraz e Maitê Proença se unem contra a Globo na Justiça - Reprodução/Instagram
Carolina Ferraz e Maitê Proença se unem contra a Globo na Justiça - Reprodução/Instagram

As atrizes Carolina Ferraz e Maitê Proença se uniram em um processo conjunto contra a Globo. 

Seis anos após deixaram o canal após a reestruturação de seu banco e talentos, elas seguem disputando na justiça o direito de receberem indenizações.

Segundo o Notícias da TV, Carolina Ferraz apoiou e amiga e acabou de depor como testemunha na ação movida por Maitê Proença em 2018 - ela quer receber mais de R$ 500 mil em direitos trabalhistas que não teriam sido pagos pela emissora.

No depoimento ela disse que foi obrigada a assinar um contrato fora do regime de contratação CLT. Essa é justamente o que busca Maitê, que quer ter seu vínculo empregatício reconhecido.

Caso a Justiça comprove que as duas eram funcionárias da Globo, a emissora pode ser condenada a acertar todos os direitos trabalhistas não pagos.

DESPEDIDA

Maria Beltrão não conseguiu segurar a emoção nesta sexta-feira (03) ao apresentador seu último 'Estúdio i' na GloboNews. A jornalista caiu no choro ao se despedir do programa, antes de assumir o 'É de Casa' na Globo.

A apresentadora deixaria a atração na última semana, mas a despedida foi adiada. "Ontem eu e Sadi festejamos tanto juntas esse momento, porque as mudanças são necessárias. Dá um medo, frio na barriga, né?! Mas a gente fica animada", comentou ela, lembrando em seguida de sua chegada no canal.

De acordo com o portal Notícias da TV, que teve acesso ao depoimento de Ferraz, Maitê Proença está pedindo uma indenização de R$ 500 mil em busca de ter o seu reconhecimento por direitos trabalhistas e do vínculo empregatício. A atriz era contratada como pessoa jurídica (PJ), ou seja, era uma prestadora de serviços e não CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), que garante benefícios e segurança ao empregado.