Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!Spotify Contigo!
Famosos / DECLARAÇÃO

Adriane Bonato anuncia fim da parceria com Claudia Rodrigues: "Dedicação e amor"

Em publicação nas redes sociais, fim da parceria com Claudia Rodrigues é anunciada pela empresária; veja

Redação Contigo! Publicado em 24/03/2022, às 12h23

Adriane Bonato anuncia fim da parceria com Claudia Rodrigues: "Dedicação e amor" - Reprodução/TV Globo
Adriane Bonato anuncia fim da parceria com Claudia Rodrigues: "Dedicação e amor" - Reprodução/TV Globo

A empresária Adriane Bonato anunciou nesta quinta-feira (24) que não é mais responsável pela carreira de Claudia Rodrigues. Ela cuidou da carreira da humorista nos últimos 9 anos.

Muito próxima da atriz, ela também foi um apoio fundamental na luta contra as complicações de uma esclerose múltipla, doença degenerativa que a acomete há anos. 

"Foram quase dez anos de muita dedicação, amor, carinho, respeito e parceria. Passamos por muita coisa juntas, lutamos diariamente durante todos esses anos. Graças a Deus, vencemos todas as batalhas, até as impossíveis", disse a empresária.

Grata e sem mágoas, ela agradeceu a oportunidade. "Levo no meu coração uma gratidão enorme pela oportunidade e satisfação de ter trabalhado com a melhor comediante deste país e fico feliz e muito realizada por ter feito parte dessa história de grandes vitórias. Encerro esse ciclo com a certeza de dever cumprido".

Quem cuida da carreira de Claudia Rodrigues a partir de agora é o grupo Calone. "Após 10 anos, a empresária, Adriane Bonato, encerra seu contrato profissional com Claudia, deixando toda gestão para futuros contatos e trabalhos sob responsabilidade do grupo Calone", diz uma mensagem nas redes sociais.

Veja:

TRATAMENTO

Em agosto, a atriz Claudia Rodrigues, precisou ser internada no hospital Albert Einstein em São Paulo.

Adriane Bonato, empresária de Claudia, explicou o motivo da suspensão do tratamento. “A decisão de interromper o tratamento e vacinar a Claudinha foi a mais assertiva. O que não foi certo foi o governo brasileiro escolher o prazo de três meses de intervalo da primeira para a segunda dose, ao invés de três semanas, como é indicado pelo fabricante. E foi realizado no mundo inteiro assim, menos no Brasil. Errado foi não responder 57 e-mails, errado foi não comprar a vacina com 50% de desconto."