Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!Spotify Contigo!
Exclusivas / MARIA GAL

Em alta, Maria Gal exalta representatividade negra na TV e promove debate nas redes sociais: "É só o início"

Após sucesso em "As Aventuras de Poliana", atriz também lança produtora; veja

Laura Vicaria Publicado em 09/08/2021, às 16h01

Com gravações paradas, Maria Gal se lança como produtora e fala sobre representatividade negra na TV: "Ainda é só o início" - Divulgação/Pino Gomes
Com gravações paradas, Maria Gal se lança como produtora e fala sobre representatividade negra na TV: "Ainda é só o início" - Divulgação/Pino Gomes

Aos 45 anos e com uma carreira marcada por personagens icônicos, a atriz Maria Gal usou a pandemia para expandir seus horizontes. Intérprete da personagem Gleyce na novela As Aventuras de Poliana, a artista decidiu se jogar no mundo do empreendedorismo e lançar um negócio que busca, em primeiro lugar, a representatividade negra.

Em conversa com a CONTIGO!, ela contou que encontrou no isolamento a oportunidade perfeita para começar este projeto e criar conteúdos audiovisuais gerenciados pessoas pretas. Ela ainda falou sobre seu ativismo anti-racista nas redes sociais e exaltou a representatividade que Gleyce trouxe para o público infantil.

“A Maria Gal passou a acreditar mais nela como produtora e não só como atriz. Aumentou a confiança, o foco, a objetividade”, disse ela sobre seu crescimento pessoal e profissional no último ano.

A CAMINHO DA MUDANÇA

Gal é uma artista plural que sempre utilizou sua visibilidade para travar debates sobre questões raciais. Agora com a produtora, ela falou da importância da representatividade negra não apenas nos atores em tela, mas também nos bastidores.

“Muitas vezes a gente vê que na produção tem poucos negros. A ‘Maria Produtora’ nasce com esse proposito de trazer representatividade também por trás das câmeras”, contou “É importante ter mais representatividade e não só uma cota”.

Ela acredita que, atualmente, o público está ansiando por conteúdos audiovisuais que sejam representativos, ou seja, que o expectador consiga se identificar com os artistas elencados. Para Gal, este é o início de uma trajetória que ainda possui muito pela frente.

“Há uma concorrência de ‘streaming’ no Brasil e ela ajuda a ter mais representatividade. Então, automaticamente, as produtoras são obrigadas a trazer isso. Há uma cobrança porque há cobrança da sociedade, mas ainda é só o início”, explicou.

O ATIVISMO NAS REDES SOCIAIS

Em 2020, a atriz foi alvo de um ataque cibernético de cunho racista. Na situação, Maria Gal recebeu mensagens anônimas nas redes sociais e foi chamada de “macaca” por um usuário. Desde então, ela busca trazer uma conversa provocativa em suas plataformas online, de modo a fazer os internautas refletirem sobre o preconceito racial.

“A minha forma de diálogo com o meu público é sempre de forma até educativa porque eu entendo que não adianta a gente ir na violência, eu acredito no diálogo de trazer o outro para o entendimento”, começou.

“Determinados incômodos em relação ao racismo a gente não pode deixar que só as pessoas negras fiquem incomodadas, a sociedade tem que se incomodar. Não há uma democracia sem trabalhar a questão racial ainda mais em um país em que 56% da população é negra. A sociedade tem que refletir mais, a se posicionar… Eu vou nessa bandeira da paz e do amor”.

A IMPORTÂNCIA DA GLEYCE

Gleyce Soares é a personagem vivida por Maria Gal na novela infantojuvenil As Aventuras de Poliana. Segundo ela, esse papel carrega uma grande importância na representatividade de mulheres negras na televisão brasileira.

Sobre o modo como o público respondeu positivamente à Gleyce, Gal diz se ver divida entre duas opiniões: “Um lado meu fica muito feliz porque ela é uma mulher mais velha, mãe de dois filhos, que foi para universidade e que progrediu economicamente. Mas, ao mesmo tempo, é algo triste porque a Gleyce foi a única personagem negra, mãe de família no ar interruptamente na TV aberta de 2018 a 2020. Então, tem esses dois lados. Um que é extremamente grata e esse outro lado que é triste, o Brasil perde”.

A novela já está confirmada para a segunda temporada, porém, por conta da pandemia, as gravações precisaram ser paralisadas. Mesmo sem ter uma data exata para voltar ao estúdio, Maria Gal garantiu que os roteiros para a continuação da produção “estão fantásticos”.