Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!
Críticas / Crítica

Crítica: Com excelência técnica, 'Sob Pressão' retorna em sua quarta temporada com cara de reprise

Série mantém nível de qualidade, mas percorre caminhos já conhecidos; leia na íntegra

Leandro Fernandes Publicado em 17/08/2021, às 10h03

'Sob Pressão' retornou com gosto de reprise - Divulgação/Globo/João Faissal
'Sob Pressão' retornou com gosto de reprise - Divulgação/Globo/João Faissal

Sob Pressão, a série mais elogiada da televisão brasileira retornou na última semana com o primeiro inédito desde o especial sobre a pandemia em 2020. A fórmula permanece a mesma: o grupo de médicos e enfermeiras enfrenta batalhas pelas vidas dos pacientes em um hospital público do Rio de Janeiro.

Só que tudo soa um pouco como uma repetição do que já vimos nas temporadas anteriores: a falta de equipamento e insumos e o reflexo dos problemas sociais no dia-a-dia dos profissionais de saúde tomam mais uma vez um lugar de destaque, com alguns diálogos dolorosamente didáticos, como se estivessem a todo custo tentando ensinar uma lição ao telespectador.

A natureza repetitiva reflete, é claro, a realidade, que parece mudar apenas para pior, mas como obra de ficção, seria interessante ver temas que de fato fossem novos no “macro” da série.

Julio Andrade em 'Sob Pressão'

Felizmente, no micro a dinâmica entre os personagens parece estar se moldando de uma forma um pouco diferente. Carolina (Marjorie Estiano) e Evandro (Julio Andrade) parecem ter encontrado uma certa paz no relacionamento (será que fizeram terapia?). Charles (Pablo Sanábio) agora é chefe de ambos, uma virada interessante que já criou conflitos no primeiro episódio. Outro conflito é entre Mauro (David Junior) e Vera (Drica Moraes), mas esse ainda parece difuso, um caso de “o santo não bateu”.

No lado dos pacientes, a série trouxe um morador de rua, um homem esfaqueado por ele e a esposa grávida de um lado e uma moça desempregada que está há dias sem comer e o filho, que acaba sendo vítima de violência policial dentro do hospital. Só que esse primeiro episódio da temporada colocou tudo isso em bem menos de uma hora e acabou “espremendo” as tramas.

Vale o destaque positivo para a cena em que dois pacientes têm uma parada cardíaca ao mesmo tempo em que a mulher grávida entra em trabalho de parto, tudo gravado em uma longa tomada sem cortes, que já se tornou marca registrada da série.

É sempre um prazer rever esses personagens e admirar a excelência técnica da série (ainda que com um roteiro desajeitado ao falar das questões sociais), mas Sob Pressão precisa achar novos caminhos a percorrer ou corre o risco de se repetir.