Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!Spotify Contigo!
BBB / LEMBRA?

Marisa Orth relembra fiasco após convite para apresentar o Big Brother Brasil: "Eu pude experimentar o fracasso"

Duas décadas depois, ela lembra experiência que ganhou ao fracassar como apresentadora da atração

Redação Contigo! Publicado em 04/03/2021, às 08h04

Reprodução/TV Cultura - Marisa Orth relembra demissão após apresentar o Big Brother Brasil
Reprodução/TV Cultura - Marisa Orth relembra demissão após apresentar o Big Brother Brasil

A atriz Marisa Orth lembrou um episódio curioso de sua carreira.

Em entrevista ao "Provoca", apresentado por Marcelo Tas na TV Cultura, ela contou como lidou com a demissão que aconteceu quando ela foi por apenas alguns dias apresentadora da primeira edição do Big Brother Brasil.

Logo na primeira edição, exibida há duas décadas, ela dividiu a apresentação com Pedro Bial, decisão que acabou se tornando um fracasso.

"Eu pude experimentar o fracasso. A Endemol deve ter um arquivo secreto de dois ou três apresentadores do mundo todo que foram eliminados antes da primeira eliminação. Eu fui um deles. A direção do programa naquela época queria uma dupla apresentando, mas dupla é perigoso, pode não dar certo. Mas hoje tenho orgulho desse episódio", declarou ela.

ATUAL APRESENTADOR

O discurso que Tiago Leifert fez para eliminar Lumena do Big Brother Brasil 21 nesta terça-feira (2) gerou muita repercussão nas redes sociais. Ao eliminar a psicóloga, ele fez referências militares e fez um trocadilho com a militância exercida pela agora ex-BBB.  

"Existe uma regra não escrita que é universal, que todos os elencos respeitam, mas ninguém nunca falou. Por exemplo, não pode agredir o amiguinho. E mesmo que pudesse, ninguém chegaria às vias de fato, porque não é nossa, não é do Big Brother. Da mesma forma você não entra gritando e brigando com todo mundo porque você sabe que vai ser eliminado. É uma regra não escrita. E curiosamente, o Big Brother, com uma guerra, vai devagar. Começa com um incidente diplomático, como uma banana no queridômetro. É um negócio que vai crescendo" disse ele.