Contigo!
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!
BBB / BBB21

BBB21: Namorado de João lamenta repercussão do comentário de Rodolffo: "Respeito não precisa ser ensinado"

Em longo texto, ele explica porque público não pode relativizar acontecimento e sim entender a dor do professor; veja

Redação Contigo! Publicado em 03/04/2021, às 18h31

BBB21: Namorado de João lamenta comentário preconceito de Rodolffo
BBB21: Namorado de João lamenta comentário preconceito de Rodolffo - Reprodução/TV Globo

Namorado do professor João Luiz, o também professor Igor Moreira usou as redes sociais neste sábado (3) para publicar uma mensagem em apoio após ele se magoar com um comentário considerado ofensivo sobre seu cabelo.

"A maneira como as pessoas relativizam e amenizam homofobia e racismo no Brasil é muito triste. E mais triste ler alguns comentários. Respeito ao outro não precisa ser ensinado. É mais sábio entender que errou e corrigir do que defender o erro", afirmou ele que seguiu desabafando.

"E eu digo mais: o preconceito não precisa sair da boca com intenção direta ele pode vir de uma reprodução inconsciente e em forma de brincadeira. Isso não tira o peso do preconceito sobre aquele que ouve. A dor de quem sofre preconceito precisa ser levada em consideração. Não estamos falando em condenação ou cancelamento mas sim no fato de que há comentários que atingem em cheio quem ouve e a pessoa que fala precisa ser responsabilizada minimamente sobre isso", declarou ele.

A SITUAÇÃO

João Luiz revelou que ficou muito incomodado com um comentário logo antes do início do castigo do Monstro. Nesta semana, Caio e Rodolffo estão vestidos de homem das cavernas. Só que ao colocar a peruca, o sertanejo comparou o cabelo bagunçado da fantasia com o black power que o professor usa. Na hora ele não conseguiu dizer nada, mas ele abriu o coração com Camilla de Lucas sobre o momento.

"Eu não consegui demonstrar o que estava acontecendo: na hora de colocar a peruca do monstro, o Rodolffo falou assim: meu cabelo tá igualzinho o do João. Eu falei: não tá igual, é diferente. Eu fiquei muito desconfortável e eu não consegui falar porque eu me senti desconfortável. Eu fiquei pensando: cara, eu não sou o homem das cavernas."

"Então na hora que aconteceu, eu fui pra um lugar na minha cabeça que eu não imaginei que eu precisaria acessar, entendeu? E ao mesmo tempo, é aquele papo que eu tive lá no quarto assim com você, eu não quero tá nesse lugar de ficar toda hora corrigindo, sabe?", afirmou ele.

"Pra mim dói mais que um murro na cara, é muito doido", afirmou ele.