Famosos lamentam morte de Prince, aos 57 anos

Ícone da música foi encontrado morto em sua casa, nos Estados Unidos; mundo pop faz homenagens

Por Redação CONTIGO!

O cantor Prince, morto aos 57 anos | <i>Crédito: Reprodução
O cantor Prince, morto aos 57 anos | Crédito: Reprodução
Ícone da música, o cantor Prince morreu, aos 57 anos, nos Estados Unidos, na manhã desta quinta-feira, em Minnesota. A morte foi confirmada por agências de notícias. Assim que a notícia da morte foi divulgada, famosos começaram a se manifestar nas redes sociais. Prince tornou-se um fenômeno mundial nos anos 1980, com seus figurinos ousados e suas performances e com as canções Purple Rain, de 1984, e Kiss, de 1986.

Marco Túlio Lara, guitarrista do Jota Quest, destacou que "mais um deus da música que se vai. Marcou seu lugar na história". A cantora Bebel Gilberto, que vive em Nova York, também se manifestou: "Prince, eu vou sentir muito sua falta... O universo perdeu sua maior estrela". Jair Oliveira também o chamou de gênio: "Mais um gênio musical que deia um legado incrível para a humanidade! Vá em paz...". Ícone também da música no Brasil, Milton Guedes aproveitou para contar o aprendizado que teve com o norte-americano: "Tempos difíceis. Até na música! Aprendi muitas coisas com esse monstro da música. Performance impecável. Tempos difíceis. Triste mesmo".

Não somente as personalidades do mundo da música se manifestaram. O ator Lúcio Mauro Filho, no ar em Chapa Quente (Globo), também deixou sua mensagem: "Grande Prince! Tá difícil o noticiário... Mas você deixa sua grande música como consolo". Adriane Galisteu também registrou sua comoção nas redes: "Prince Forever", escreveu no Instagram. O ator Ricardo Tozzi publicou um trecho de uma das músicas de maior sucesso de Prince, Purple Rain: "I only want to see you laughing in the purple rain".

Astros internacionais como JLo, Sarah Jessica Parker, Reese Witherspoon e James Franco, entre outros, também se manifestaram.

Prince lançou seu álbum de estreia, For You, em 1978, movimentando a indústria musical com ritmos funkeados, uso de sintetizadores, letras provocativas e seu inconfundível falsete. Ele foi indicado 30 vezes ao Grammy e levou o prêmio sete vezes. No início do mês, foi internado, mas os motivos da morte ainda não foram informados.

21/04/2016 - 15:04

Conecte-se

Revista Contigo!
Coleção CARAS