Sucesso em 'Novo Mundo', Isabella Dragão afirma: "Sinto que a cada dia preciso me renovar"

Em seu segundo papel na TV, a atriz dá vida à personagem Cecília

por Mariana Millan

Isabella Dragão | <i>Crédito: Globo/Raquel Cunha
Isabella Dragão | Crédito: Globo/Raquel Cunha
Nascida em São João da Boa Vista, interior de São Paulo, Isabella Dragão começou a carreira artística como bailarina, aos 4 anos de idade. Aos 11, seu talento foi reconhecido e ela foi chamada para ingressar na renomada Escola Bolshoi, em Santa Catarina. A escola, que também oferecia aulas de teatro, despertou em Isabella a vontade de ser atriz. “Me apaixonei e decidi parar a dança. Era nas aulas de teatro onde sentia prazer, alegria e uma liberdade em me expressar e ser o que quisesse ser. Aos 15, fiquei alguns meses vivendo uma vida "normal", sem me dedicar à arte, e então percebi que realmente precisava dela, e que naquele momento, seria pelo teatro que voltaria a me sentir viva.”, afirmou a atriz. 

Na TV, seu primeiro trabalho na Globo foi no ano passado, na minissérie Nada Será Como Antes, dirigida por José Luiz Villamarim. Hoje, com 23 anos, a atriz comemora o sucesso de sua personagem Cecilia na novela Novo Mundo. Confira o bate-papo exclusivo com a Contigo!

RELAÇÃO COM A DANÇA
“Vários acontecimentos e sentimentos me fizeram desistir de ser bailarina. A dor e busca por um ideal inatingível estava desrespeitando minha natureza, meu corpo físico, mental, emocional... Tenho buscado ressignificar minha relação com a dança, que amo tanto, de forma a com ela me conhecer, me respeitar e recriar minha realidade, com mais liberdade e amor. Hoje, a arte pra mim faz sentido se for um estado de presença a serviço do amor e da liberdade. 

NOVO MUNDO
“Amei integrar o elenco de uma novela de época. É um momento da história que desde a escola eu adorava. Tem sido realmente prazeroso. É muito desafiador entrar em contato com marcas difíceis desse período, como a escravidão.” 

DESAFIOS EM CENA
“Sinto que a cada dia preciso me renovar. Aquilo que funcionou como um caminho para chegar numa emoção em um dia, por exemplo, no outro não funciona. Acho atuação algo desafiador demais pra nossa necessidade de controle, tenho me sentindo em constante imprevisibilidade, vulnerabilidade e necessidade de total desapego. As cenas como a que o Sebastião pega Libério para ser escravo, a que Cecilia vai ao navio negreiro para salvar ele, e a que Matias e Idalina apanham no tronco, foram especialmente difíceis, principalmente pelo conteúdo denso e profundo que estavam tocando. Outra que foi muito prazerosa de gravar, mas também difícil, foi a que Cecilia iria casar com Orozimbo e ele morre na hora de dizer "sim". Por dentro eu estava gargalhando, não me aguentando de tanto rir daquela situação, e por fora chorando, com raiva e tristeza. Não só eu, como toda a equipe se divertiu muito aquele dia.” 

FELIPE SILCLER
“Ele tem sido um grande parceiro. Conseguimos trocar muito, conversar sobre os personagens, a atuação, carreira e tudo mais... A relação entre Cecilia e Liberio toca em pontos importantes. A necessidade de liberdade deles, por exemplo, a coragem em assumir os próprios desejos, indo além de paradigmas e preconceitos, de se unir pra conquistar a própria liberdade e também a dos outros.” 

INSPIRAÇÃO NA TV
"Minhas maiores inspirações são as atrizes que tive a honra de sentir na pele a abertura pro outro, a humildade, a verdade e a integridade. Senti muito isso com a Débora Falabella, em "Nada Será Como Antes", e agora em "Novo Mundo" com a Vanessa Gerbelli e a Dhu Moraes. Elas, sem dúvida, me inspiram muito." 

ASSÉDIO DOS FÃS
“Senti diferença após atuar na novela, mas tem sido bem gostoso. Amo a Cecilia e tenho sentido que as pessoas também, então recebo junto esse afeto, e também a torcida do público por ela. Amo criança e confesso que é o público que mais adoro receber o carinho. Fiquei sabendo que estão colocando o nome nas bonecas de Cecilia e adorei (risos).”

11/09/2017 - 13:25

Conecte-se

Revista Contigo!