"Estive à beira do poço", desabafa Mariana Ferrão

Mariana Ferrão fala sobre depressão e revela que a meditação, tema da nova série do matinal Bem Estar, da Globo, mudou sua vida

por Daniel Lopes

Mariana Ferrão | <i>Crédito: Rogério Pallatta
Mariana Ferrão | Crédito: Rogério Pallatta
Durante sua segunda gestação, no ano passado, Mariana Ferrão, 38 anos, teve medo que traumas do passado a fizessem mergulhar em uma difícil situação já vivida antes: a depressão. O que garantiu uma gravidez tranquila e transformou a vida da apresentadora virou tema da nova série do Bem Estar (Globo): meditação, que estreou na segunda-feira (24) e vai até sexta (5). “Eu estive à beira do poço recentemente e, quando a gente está neste estado, percebemos que vamos entrar em depressão novamente. A meditação me ajudou muito a não afundar”, revela Mariana em entrevista exclusiva à CONTIGO!.

Todo dia é assim. Pela manhã, antes de tomar café, Mariana medita por 10 minutos em um cantinho dos estúdios Globo, em São Paulo. Diferente do que muita gente pensa, meditar não se trata de esvaziar a mente nem precisa de um ritual específico. “A meditação te propõe entender que você tem um problema, mas que você não precisa se preocupar com aquilo no momento. A gente cria muitas histórias mentais que nos fazem mal, nos deixam ansiosos, deprimidos. É uma libertação perceber que o pensamento não é você”, conta a apresentadora que, para a série do Bem Estar, entrevistou especialistas e outros adeptos da meditação como a apresentadora Angélica, 43, que curou a síndrome do pânico, e Juliana Paes, 38. 


Nova mãe
Ainda curtindo o primeiro ano ao lado do filho mais novo, João, do casamento com o jornalista André Luiz Costa, 38, Mariana comemorou um parto bem-sucedido, exatamente do jeito que gostaria, diferente da experiência com o primogênito, Miguel, 3. “A cesariana foi algo que eu não queria. Foi mal cicatrizada, tive muita dor, o corte abriu, eu me senti desrespeitada pela equipe médica. Não foi nem um pouco tranquila de lidar. Foi difícil aceitar que meu parto, um momento tão importante, tenha sido feito daquela maneira”, desabafa. “Me dediquei muito da última vez para conseguir um parto normal. Claro que era um motivo de ansiedade. Fiz fisioterapia, troquei a equipe médica e redescobri a meditação, que mudou tudo”, completa. 
A nova rotina refletiu na criação dos meninos. “Eu estou muito mais presente. O tempo que é deles é sem celular, sem fazer outras coisas. O Miguel me cobra para meditarmos juntos quando eu esqueço”, conta. Estar à frente do programa desde 2011 também ajudou e muito em todo o processo de maternidade. “Eu acho que fico mais tranquila tendo tanta informação. Você vê seu filho doente e quer dar um remédio. Entretanto, aprendi a deixar o ciclo da doença se desenvolver, isso me deu maior tranquilidade. Passei a me preocupar com questões mais sérias”, afirma. 


Salvando vidas
No ar há seis anos, o Bem Estar se firmou como sucesso nas manhãs da emissora com suas dicas de saúde e estilo de vida. Participar de um programa com essa temática acabou abrindo os olhos da apresentadora, que tem ao seu lado o jornalista Fernando Rocha, 49, para seus próprios problemas. “Eu esperava o sucesso da atração porque as matérias mexem com o dia a dia das pessoas e traz informações úteis. Falamos do que está perto de cada um, do que você pode mudar. Funciona porque as pessoas notam a transformação que acontece na vida delas. Eu tinha enxaqueca e tomava muitos remédios. O programa falou sobre o efeito rebote desses medicamentos. Parei de tomar e melhorei. Descobri ainda que era intolerante à lactose com as dicas da atração. Ela me trouxe muito mais bem estar!”, diz. Mas engana-se quem pensa que Mariana virou refém de qualquer recomendação. “Me permito sempre comer o que quero. Academia também anda sendo algo difícil na minha vida ultimamente. O que mais engorda não é a comida, é a culpa. Se você ficar com alguma paranoia de não comer isso ou aquilo, você vai precisar se tratar com um psiquiatra depois!”, brinca. “A gente fica pensando sobre não comer carboidrato, não comer gordura, não comer glúten. Que ditadura é essa? Eu faço um tremendo esforço pra não passar isso aos meus filhos. Colocamos a culpa nos alimentos até para as crianças. Deixei os meninos comerem chocolate na Páscoa! Se você se alimentar bem todos os dias e só extrapolar no fim de semana, legal! Se você tem vontade de comer alguma coisa, coma! Depois você compensa. Ou não compensa mesmo e está tudo bem”, explica. 


É claro que, entre familiares e amigos, Mariana se tornou referência de dicas de saúde. “Me procuram muito pra pedir indicação de médico. Quando eu saio com as minhas melhores amigas, antes de engrenarmos em algum assunto, começam a perguntar dicas de saúde. Depois de 20 minutos, eu solto ‘podemos conversar mesmo?’.” Lógico que não dou receita médica, não sou expert, mas ajudo no que posso”, revela. A melhor recompensa de comandar o matinal, porém, é receber o feedback do público. “É bacana ouvir o público dizer ‘vocês salvaram a minha vida’. Uma avó escreveu dizendo que lembrou de quando ensinamos a manobra para desengasgar recém-nascidos. A neta dela se engasgou com leite, ela lembrou do programa e conseguiu salvá-la. Isso é algo que não tem preço”, conta. 

02/05/2017 - 08:57

Conecte-se

Revista Contigo!