Deslumbre artesanal: a beleza da abertura de Velho Chico

Como foi feita a bela abertura da novela, que mostra as lendas do Rio São Francisco entalhadas em madeira

Por Bianca Portugal / Fotos: divulgação/tv globo

As obras do ilustrador Mello Menezes e do xilogravurista Samuel Casal foram feitas especialmente para a novela | <i>Crédito: divulgação/tv globo
As obras do ilustrador Mello Menezes e do xilogravurista Samuel Casal foram feitas especialmente para a novela | Crédito: divulgação/tv globo
Pelas águas do rio são Francisco, que pontua a história e ainda dá nome à novela Velho Chico, corre um manancial de lendas e fábulas. E foi justamente a mítica que o cerca e todos os seus símbolos já arraigados na cultura brasileira que encheram de cores a abertura da trama. Após reuniões com a equipe de autores e com o diretor, Luiz Fernando Carvalho, 55, o diretor de arte, Alexandre Romano, 40, concluiu que o caminho só poderia ser um trabalho artesanal. O ilustrador Mello Menezes, 78, e o xilogravurista Samuel Casal, 42, que faz entalhes em madeira, entraram em cena. “Cada traço tinha um pouco de tensão, porque não podíamos voltar atrás”, explicou Samuel. O painel principal tem 1,80 metro por 1 metro e levou cinco dias para ficar pronto. “Os elementos e as cores estão dispostos de uma forma não linear. Tem a lágrima da índia que perdeu o índio, as frutas, as carrancas, os arquétipos do homem e da mulher. Todo esse desenho representa o sol e irradia a energia que está dentro do rio”, contou Romano. Para preencher a brasilidade da abertura, a música Tropicália, na voz de Caetano Veloso, 73. “Foi um presente, porque é uma canção desconstruída, fala de tudo ao mesmo tempo. Da explosão de coisas que estava ali, pronta para acontecer”, concluiu o diretor de arte.



23/04/2016 - 21:00

Conecte-se

Revista Contigo!
Coleção CARAS