Adriana Garambone fala sobre a vida após a chegada do filho, Gael

No ar em O Rico e o Lázaro, a atriz conta que viu a vida se transformar (para melhor!) após a chegada do primeiro filho, por meio de barriga de aluguel

Por Ligia Andrade

Adriana Garambone e o filho, Gael | <i>Crédito: Cadu Pilotto
Adriana Garambone e o filho, Gael | Crédito: Cadu Pilotto
Desde a chegada de Gael, 2 anos, a vida de Adriana Garambone, 47, ganhou tons azuis. A intérprete de Amitis, em O Rico e Lázaro (Record TV), realizou o sonho da maternidade por meio de uma barriga de aluguel e, desde a chegada do menino, que nasceu no Nepal, viu suas prioridades mudarem. “Agora tudo é em função dele. Tirando o fato de que fiquei exausta (risos), ele me deu tranquilidade, calma. Era mais impulsiva, agora as coisas precisam ser planejadas, estou mais em casa”, conta ela, casada há 11 anos com o psicoterapeuta Arthur Papavero, 38. “Tuco trabalha no Rio de Janeiro e em São Paulo, encontrei uma babá que conversa com Gael, o respeita como ser humano, e isso é o mais difícil. O pior em ficar distante é pensar no que ele vai aprender. Tenho câmeras na casa toda, quando estou com saudade, dou uma olhadinha.” 


O menino é o centro das atenções por onde passa

Adriana é uma mãe zelosa, não superprotetora. “Deixo brincar no chão, o cachorro lamber... Se vejo que caiu, só pergunto se está bem. Quando faz manha, tento conversar. Essa coisa de querer proteger demais acaba atrapalhando. Infelizmente, ele precisa saber que dói, que queima. Claro que não vou deixar, mas mostro. Criança entende, não minto, estou tentando ter uma relação honesta.”

UMA HISTÓRIA DE AMOR
Gael já anda pela casa falando ‘mamãe’, ‘tchau’, entre outras palavrinhas, no entanto, a atriz não vê a hora de conseguir conversar mesmo com o filho. “Como foi uma criança muito esperada, desejada, quero me relacionar com ele, fico um pouco ansiosa”, confessa Adriana, que conta com a ajuda do marido. “Tuco troca fralda, dá mamadeira...” A atriz fala com tranquilidade sobre todo o processo, responde com calma a curiosidade natural das pessoas e até dá conselhos. “É importante esclarecer. Gosto de contar a história, é muito bonita. Antes, achava que não viver o parto, a gravidez, iria me fazer falta. O primeiro contato foi forte para mim, não tem diferença”, ressalta. O menino tem os traços do pai e puxou os cabelos loiros da família da mãe. Por enquanto, Adriana não pensa em aumentar a família. “Se quiser mais uma criança, a adoção vai ser uma opção. Não tenho mais idade – para óvulos nem tratamentos –, Gael foi no limite, já estava passando. Foi quase um milagre e um processo caro, longo...” 


A atriz se encanta com o filho

Após dois abortos espontâneos e cinco tentativas de fertilização in vitro sem sucesso, a atriz chegou a ver o seu relacionamento se desgastar, porém, a chegada do menino fortaleceu a união e a admiração do casal. “Aumenta o meu amor quando vejo que Tuco e Gael se parecem, o carinho entre os dois, como ele cuida bem... E conversamos, temos mais interação e tolerância. Sem o filho, a relação fica mais camicase, uma briga pode gerar uma separação. Agora, não, a gente força para se entender, quer ficar junto, continuar a nossa família. Um relacionamento amadurecido é prazeroso, dá uma tranquilidade gostosa”, avalia. Mesmo com tudo o que construiu, Adriana não sente-se acomodada. Está em um momento feliz, preparada para o que virá. “A plenitude não existe, e acho bom, faz você ter movimento. Estou querendo coisas novas.”

 
"Estou tentando ter uma relação honesta com ele", afirma a atriz

EM BUSCA DE SABEDORIA
Enquanto gravava como Amitis, em O Rico e Lázaro, a atriz “invejava” a sabedoria da rainha. “Ela tem a mente à frente das emoções, isso é o que todo mundo busca, tentamos fazer a vida inteira e não sei se alguém consegue (risos). Pensava em quanto queria ser como ela nesse ponto”, justifica. Com o fim das gravações da trama bíblica, Adriana pretende descansar no Canadá com seus meninos. “Foi um trabalho intenso. Tiro um saldo superpositivo. Gravamos em ritmo acelerado, às vezes virava um zumbi, quase não conseguimos confraternizar, mas fizemos um bom trabalho.” Ela não tem uma religião específica, acredita em Deus, em energia. Acha fundamental que as pessoas tenham espiritualidade. E dá a sua dica: “Tenho pensamento positivo em tudo o que faço e tento ser sincera. Quando não gosto de uma pessoa, me afasto, ao invés de cultivar um sentimento ruim. Quando você vê um país inteiro religioso, como o Nepal, vê a diferença que faz. Não sou a dona da verdade, até nessa história do Gael, falo para a pessoa sentir qual é o seu caminho. Vou através do meu coração.”


Por enquanto Adriana não pensa em aumentar a família
 
SEM SUSTOS
A proximidade dos 50 não a assusta, pelo contrário, acha que a passagem de tempo só fez bem. “A idade vai chegando aos poucos e você vai se acostumando, vai ficando um pouco mais preguiçosa, começa a enxergar um pouquinho menos... Me acho mais bonita hoje do que aos 20 anos. É louco, é a cabeça com menos exigência, tenho mais tolerância comigo. Só não devemos focar nisso, porque a vida é longa. Vejo tantas meninas de 20, 30 anos, que agem como se a vida fosse acabar logo. Penso relativamente: ‘Estou com 47, mas vou ter 80, então estou gatinha’ (risos)”, diverte-se Adriana, que volta e meia faz alguma dieta mais radical, para desintoxicar o corpo. Com 1,67 metro, ela estava quatro quilos acima de seu peso ideal, 59. “O vinho acompanha a bruschetta, a pizza, os queijos... adoro comer. Faço acompanhamento com nutricionista há muitos anos, tomo as vitaminas, remédios ortomoleculares, sei quando preciso dar um choque. Comi muita bobagem durante as gravações, agora estou me organizando, preciso perder ainda um quilo.” 


A atriz se acha mais bonita hoje do que aos 20 anos

A atriz não sabe se teria os mesmos cuidados com a pele e com o cabelo se tivesse outra profissão. “Fiz um peeling fortíssimo que tirou todas as manchas, fiquei um monstro durante uma semana, mas fui muito à praia na adolescência, deu uma rejuvenescida”, revela. Para manter a forma, faz musculação e spinning – também gosta de dança e ioga. “Me sinto bem, não é só fisicamente, fico em outro astral. Se não malhar por duas semanas, já fico num bode..."

13/08/2017 - 10:00

Conecte-se

Revista Contigo!