"Acredito muito em mim", Sérgio Marone

Após sucesso em Os Dez Mandamentos, Sérgio Marone comemora a empreitada de comandar o Hoje Em Dia e diz que não se incomoda com críticas ao seu trabalho

Daniel Lopes | Fotos Márcia Tavares

Sérgio Marone | <i>Crédito: Márcia Tavares
Sérgio Marone | Crédito: Márcia Tavares
Enquanto é entrevistado pela CONTIGO!, Sérgio Marone, 35 anos, recebe uma ligação. O ator atende e começa a falar em espanhol. É um convite para uma viagem ao Paraguai, onde Os Dez Mandamentos, uma das novelas de maior sucesso de 2015 da qual participou, vai estrear nos próximos meses. “É impressionante como esse trabalho ainda rende tantos frutos”, conta Sérgio, que conquistou mais um passo importante na carreira: ele assumiu o comando do Hoje Em Dia (Record TV), ao lado de Ticiane Pinheiro, 40, e Renata Alves, 37, para substituir César Filho, 56, durante as férias do apresentador. Na atração, Sérgio revela ter vencido o medo do “ao vivo” e garante que não se incomoda com críticas ao seu trabalho.


Como surgiu o convite para estar à frente do Hoje Em Dia? 
Eu tive oportunidades antes de vir pra Record TV. Apresentei o Miss Brasil duas vezes ao vivo na Band, tive oportunidade de um programa no Futura, apresentei o Dança da Galera no Faustão (Globo)... Eu já venho conversando isso com a Record TV desde o fim de Os Dez Mandamentos e por isso eles me deram esses dois presentes: o Família Record no fim do ano e, agora, o Hoje em Dia.

Sentiu medo de aparecer ao vivo? 
Quando eu fui convidado, depois que eu aceitei, pensei “que presente de grego eu ganhei!”. Porque eu tinha essa preocupação com o ao vivo e fiquei com ela até o primeiro dia. Depois, passou. Foi ficando mais tranquilo e é engraçado porque passou esse frisson com o ao vivo. O mais difícil pra mim acabou sendo a parte das notícias, que são pesadas, mas temos que dar, porque existe uma demanda do público. O ao vivo deixou de ser um problema.

E a convivência com a Ticiane e a Renata? 
Nota 1000 dividir o programa com elas! Ambas são parceiras, generosas. A Tici é muito divertida. Não tenho nem o que falar, me receberam de braços abertos, uma generosidade difícil de se encontrar nesse meio. Entre elas também existe muita parceria e isso se faz notar até mesmo para o público, por isso o sucesso. É uma família. Não tem competição, cada um sabe seu espaço.

Como era a sua rotina em São Paulo? 
Acordava cedo todos os dias, umas 7h da manhã. Saía às 8h do hotel, ia para a Record, participava da reunião de pauta, me inteirava dos assuntos do dia, passava na sala de maquiagem e ia para o estúdio. O programa acabava às 12h, então, saía da Record 12h30 para almoçar e depois treinava. Dormia às 22h30. Nesse período, aproveitei para reencontrar meus amigos de escola em São Paulo. Eu gosto de ir nos museus, e conferir o cinema alternativo que tem aqui. Fui a restaurantes diversos, coisa que não faço no Rio. Lá eu só como em casa, gosto de produtos mais naturais e caseiros. Me cuido muito com alimentação. São Paulo é a nossa Nova York, você pode morar aqui o tempo que for que sempre tem coisas novas para fazer e descobrir.


Apresentar é mais difícil que atuar? 
Não dá pra comparar. São coisas muito diferentes. A carga de trabalho, pelo menos nesse programa, é menor do que de uma novela. Eu passava 10 a 12 horas gravando uma trama no estúdio, já cheguei a passar 15 horas. E esse ritmo é de segunda a sábado, e no domingo que seria a folga, você estuda as cenas do dia seguinte. O programa, eu chego, me preparo, apresento e vou embora. Eu diria que é um pouco mais fácil, você consegue ter uma vida mais fácil, maleável. Novela dá muito trabalho. Não necessariamente é mais difícil porque você está com uma máscara. Apresentando você está exposto, dando a cara à tapa, são as suas opiniões, as suas ideias. Acho que a experiência no palco ajuda bastante, mas não ser ator. Na TV, você não olha para a câmera. O fato de ter estado no palco algumas vezes ajudou. Afinal, teatro é ao vivo também.

Como lida com as críticas que apareceram durante a sua participação? 
Diante de tantas críticas positivas ao programa, eu não presto atenção em uma negativa. Eu costumo acompanhar muito o que o público diz. Uma fã comentou no meu Instagram que estava me achando muito tenso na hora de dar as notícias, eu levei isso para a diretora e ela falou que não precisava me incomodar. Quando eu leio algo que possa ter sentido, eu me questiono. Com a internet, todo mundo tem opinião. Eu levo em consideração quando é algo construtivo, mas não me deixo abalar.

Teve receio de não repetir o sucesso da novela? 
Quando você tem um personagem forte como o Ramsés, você sente essa proximidade com os fãs. Nas ruas, não tem quem não abra um sorriso ou queira falar com você. Mas eu estou muito feliz agora com a repercussão positiva, o carinho das pessoas, as palavras de apoio que eu recebo nesse momento novo. Eu acredito muito em paixão e dedicação. Acredito em trabalho duro. Antes de estrear, me pediram para acompanhar os bastidores por uma semana: eu fiquei duas. Queria estar no estúdio, no switcher, nas reuniões de pauta, queria entender a dinâmica de tudo. Ninguém é mais crítico que eu. Mas eu sou muito positivo, acredito em mim.


Considera-se vaidoso? 
Me preocupo com o corpo por causa do trabalho e da saúde. Ligo mais para alimentação do que academia. Quando eu fiz o Ramsés, eu treinava igual a um soldado egípcio, ele exigia isso de mim. Já não treino mais daquele jeito, mas ainda tento manter o ritmo porque estou com 35 anos e tudo depois dos 30 fica mais difícil (risos)!

Como seria um programa do Sérgio? 
Eu gostaria de apresentar algo bem positivo e propositivo. Algo que tivesse entretenimento, mas também informação. Curto auditório porque dá uma esquentada, você sente como está sendo a recepção na mesma hora. Gostaria que trouxesse notícias positivas. Não consigo descrever o meu programa dos sonhos, mas tenho algumas ideias.

O que 2017 lhe reserva? 
Existe uma vontade da casa para que eu faça Apocalipse e eu estou bem animado com a ideia. É o mesmo diretor e autor de Os Dez Mandamentos, eu tenho certeza de que será um grande sucesso e eu sei que terá um ótimo personagem pra mim. Se acontecer algo na linha de shows, também será excelente. Acho que o universo conspira a meu favor. Eu não tenho que pedir nada, só agradecer.

21/01/2017 - 13:00

Conecte-se

Revista Contigo!